Agricultores invadem Receita Federal no Rio Grande do Sul

Eles querem renegociar dívidas com o governo federal, que chegariam, segundo eles, a um total de R$ 5 bilhões

Daniel Cassol, iG Rio Grande do Sul |

Pequenos agricultores ligados à Via Campesina invadiram na manhã desta quarta o pátio da superintendência da Receita Federal em Porto Alegre. No interior do Rio Grande do Sul, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf) realizou protestos em agências do Banco do Brasil.

Os agricultores querem renegociar dívidas com o governo federal, que chegariam, segundo eles, a um total de R$ 5 bilhões somando os débitos de todos eles em todo o Estado.

Em Porto Alegre, cerca de mil integrantes da Via Campesina caminharam pelas ruas da cidade e terminaram o protesto em frente à sede da Receita Federal no Rio Grande do Sul. Segundo Romário Rossetto, dirigente do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), as secas e as quebras de safra nos últimos anos fizeram com que as dívidas com o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) se acumulassem.

“Houve sete secas nos últimos 11 anos, mais de 300 municípios com decreto de emergência por estiagem, enxurrada ou granizo. As dívidas foram sendo jogadas para a frente. Agora, acumulou todo. Mesmo com uma supersafra este ano, o povo não terá renda para pagar”, afirma Rossetto.

Segundo o agricultor, as dívidas vencidas ou por vencer chegariam a R$ 8 bilhões em todo o Brasil, sendo R$ 5 bilhões só no Rio Grande do Sul. Entre as reivindicações, os agricultores defendem que todos os contratos sejam unificados e o prazo para o pagamento das dívidas seja alongado para 15 anos.

Outra organização de pequenos agricultores, a Fetraf realizou manifestações em agências bancárias do interior do Estado. Em Brasília, durante o Grito da Terra realizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a presidenta Dilma Rousseff (PT) anunciou que o setor terá R$ 16 bilhões para o Plano Safra 2011/2012.

Para Romário Rossetto, os pequenos agricultores endividados correm o risco de não acessarem os recursos disponibilizados pelo governo federal para a próxima safra. “Não adianta termos um monte de recursos no Plano Safra se não pudermos acessar por causa da inadimplência”, destaca ele.

Os integrantes da Via Campesina permanecem no pátio da Receita Federal em Porto Alegre, aguardando o resultado de audiências em Brasília. Por causa do protesto, não houve expediente na Receita. A reportagem do iG entrou em contato com as assessorias do Ministério da Fazenda e do Ministério do Desenvolvimento Agrário, mas não obteve resposta sobre o andamento das negociações.

    Leia tudo sobre: protestovia campenisaporto alegre

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG