Justiça autoriza novo depoimento do pai de Bernardo com detector de mentiras

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Equipamento pode ser utilizado na PASC, onde Boldrini está preso. Pedido foi feito pelo advogado do réu, Jader Marques

O médico Leandro Boldrini, réu pela morte do filho Bernardo, de 11 anos, irá prestar um novo depoimento usando um detector de mentiras por um policial. Segundo o Tribunal de Justiça, a solicitação foi feita pelo defensor de Boldrini, Jader Marques.

Leia também:
Vídeo mostra últimos momentos de Bernado Boldrini com vida no Rio Grande do Sul
Polícia indicia pai de Bernardo, madrasta e amiga por homicídio qualificado
'Cuide bem do nosso filho', diz suposta carta da mãe de Bernardo antes de morrer

Entrevista coletiva da Polícia Civil, em Três Passos, apresenta inquérito do Caso Bernardo. Foto: Divulgação/Polícia CivilInquérito do Caso Bernardo Boldrini tem mais de 2 mil páginas e 11 volumes. Foto: Divulgação/Polícia CivilO corpo do menino, morador de Três Passos, foi encontrado no dia 14 de abril, dez dias após desaparecer. Foto: DivulgaçãoO atestado de óbito de Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, registra por morte violenta. Foto: Jader Benvegnú/Futura PressVelório do corpo de Bernardo Uglione Boldrini, no Hospital de Caridade de Santa Maria. Foto: Jader Benvegnú/Futura PressEnterro do corpo de Bernardo Uglione Boldrini de 11 anos, na manhã desta terça-feira (15), no Cemitério Ecumênico Municipal de Santa Maria. Foto: Jader Benvegnú/Futura PressBernardo é enterrado ao lado da mãe no Cemitério Ecumênico Municipal de Santa Maria (RS). Foto: Jader Benvegnú/Futura PressBernardo e a mãe em foto usada durante velório do menino em Três Passos, no Rio Grande do Sul. Foto: Jader Benvegnú/Futura Press

O equipamento pode ser utilizado dentro da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (PASC), onde ele está preso, em data ainda não divulgada.

Prisões

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) decretou a prisão preventiva dos três indiciados pela Polícia Civil pela morte do menino. O pai Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini e a assistente social Edelvania Wirganovicz continuarão presos.

Depoimento do pai: Madrasta dizia que Bernardo era 'uma semente do mal'
O caso: Polícia apura se menino foi morto por injeção letal; pai e madrasta são presos
Delegada: 'Não tenho dúvida do envolvimento do pai, da madrasta e da amiga'

Já Evandro Wirganovicz, irmão da assistente social, que teve seu carro visto próximo do local onde o corpo foi enterrado, não foi indiciado pela polícia. Ele foi preso temporariamente no último sábado (10) e sua possível participação ainda é investigada.

A morte

O corpo do garoto de 11 anos foi encontrado no dia 14 de abril, dez dias após desaparecer, enterrado em uma mata na cidade de Frederico Westphalen, que fica a 80 quilômetros de Três Passos, onde a família reside.

Desde o dia em que o corpo de Bernardo foi descoberto, o pai, a madrasta e uma amiga dela - a assistente social Edelvânia Wirganovicz, que teria ajudado a ocultar o corpo - estão presos. A última vez em que Bernardo foi visto, no dia 4 de abril, ele estava no carro da madrasta.

O laudo da perícia confirmou que substâncias do sedativo Midazolam foram encontradas no corpo de Bernardo. Para que o inquérito seja concluído, outros depoimentos ainda serão tomados e serão analisados laudos com resultados sobre o material colhido no corpo, na cova e nos automóveis.

Leia tudo sobre: bernardo boldrinirio grande do sul

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas