MP gaúcho denuncia 14 pessoas por adulteração de leite com produtos químicos

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo promotores, produtos como soda cáustica, bicabornato de sódio e água oxigenada eram acrescentados ao leite nas fábricas da Pavlat e da Hollmann

Agência Brasil

O Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou à Justiça estadual 14 pessoas acusadas de adicionar produtos químicos cancerígenos ao leite vendido por duas empresas de laticínios. Entre os denunciados estão os empresários Sérgio Seewald e Ércio Vanor Klein, respectivamente donos da Hollman e da Pavlat, além de transportadores e funcionários das duas companhias.

Três são presos acusados de adicionar soda cáustica e água oxigenada ao leite

Momento que Sérgio Seewald, proprietário da Hollmann, é preso (08/05/2014). Foto: DivulgaçãoÉrcio Klein, da Pavlat, sendo preso nesta quinta-feira (08/05/2014). Foto: DivulgaçãoCarros do empresário foram apreendidos (08/05/2014). Foto: DivulgaçãoA ação na indústria de laticínios Hollmann (08/05/2014). Foto: DivulgaçãoPoliciais e a agentes do Ministério Público do RS cumpriram mandados de busca e apreensão na primeira fase da operação. Foto: DivulgaçãoPosto de resfriamento localizado no noroeste do RS onde foram cumpridos os mandados  na primeira fase da operação. Foto: DivulgaçãoPosto de resfriamento localizado no noroeste do RS onde foram cumpridos os mandados  na primeira fase da operação. Foto: DivulgaçãoMaterial apreendido pela operação do MP na manhã desta sexta-feira (14),  na primeira fase da operação. Foto: DivulgaçãoMaterial apreendido pela operação do MP na manhã desta sexta-feira (14),  na primeira fase da operação. Foto: Divulgação

Seewald e Klein foram presos na manhã do último dia 8, quando o Ministério Público estadual deflagrou a quinta fase da chamada Operação Leite Compen$ado. A operação teve o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Receita Estadual. No total, foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e três de prisão nas cidades de Paverama, Imigrante, Teutônia, Arroio do Meio, Encantado, Venâncio Aires, Marques de Souza, Travesseiro, Novo Hamburgo e Cruzeiro do Sul. Também foram expedidos mandados de apreensão de 34 caminhões usados para transportar o leite adulterado.

Segundo os promotores responsáveis por coordenar a operação, Mauro Rockenbach e Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, produtos como soda cáustica, bicabornato de sódio e água oxigenada eram acrescentados ao leite nas fábricas da Pavlat e da Hollmann. Ainda segundo os promotores, os produtos eram usados para corrigir a acidez do leite cru que, por estar se deteriorando, seria inutilizado. As empresas investigadas adquiriram os produtos químicos em larga escala, o que chamou a atenção das autoridades.

Para o MP, os 14 denunciados devem responder à Justiça por infringir o Artigo 272 do Código Penal, que trata da adulteração de produtos alimentícios, e prevê pena de quatro a oito anos de prisão, além de multa. Segundo o MP, 91 laudos de testes realizados com os produtos detectaram que o leite não atendia às normas de qualidade exigidas pelo Ministério da Agricultura.

No mesmo dia em que a Operação Leite Compen$ado foi deflagrada, a Agência Brasil ouviu a professora da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, Mirna Gigante. De acordo com a especialista, a legislação brasileira proíbe a presença, em qualquer volume, dos produtos mencionados pelo Ministério Público.

"No leite cru não é permitida a adição de nenhum produto, seja durante a coleta ou o transporte em caminhões refrigerados. Ou seja, dos postos de captação até chegar à indústria processadora, nenhum conservante pode ser adicionado. Já durante o processamento do leite UHT [ou longa vida, vendido em caixas], a legislação permite que a indústria adicione o citrato ao leite UHT, de acordo com a Portaria 370, de 1997, do Ministério da Agricultura. Soda cáustica, bicarbonato de sódio, água oxigenada [...] Nada disso é para ser adicionado e [se encontrados no leite] indicam que houve uma adição fraudulenta dos compostos".

A operação:
MP denuncia dois suspeitos de fraudar leite no Rio Grande do Sul
Ministério Público investiga mais suspeitos de adulterar leite no RS
MP denuncia mais um grupo suspeito de adulteração de leite
Cinco pessoas são presas em nova etapa da operação contra fraude no leite no RS
MP constata nova fraude no leite no Rio Grande do Sul

Treze pessoas foram presas nas quatro primeiras fases da Operação Leite Compen$ado. Dessas, quatro estão respondendo em liberdade. Até o momento, 26 pessoas foram denunciadas por participar do esquema. Seis dos 15 denunciados na primeira fase da operação foram condenados em primeira instância, na Comarca de Ibirubá. De acordo com o Ministério Público estadual, são eles João Cristiano Pranke Marx (pena de 18 anos e seis meses de reclusão em regime fechado); Angélica Caponi Marx (nove anos e sete meses de reclusão em regime fechado); João Irio Marx (nove anos e sete meses de reclusão em regime fechado); Daniel Riet Villanova (11 anos e sete meses em regime fechado); Alexandre Caponi (nove anos, três meses e 12 dias em regime fechado) e Paulo Cesar Chiesa (dois anos e um mês de reclusão em regime semi-aberto).

As ações civis coletivas de consumo contra as pessoas físicas e jurídicas envolvidas na fraude contabilizam 117 bens indisponibilizados, sendo 90 veículos e 27 imóveis, avaliados em aproximadamente R$ 10 milhões. Além disso, durante a toda a operação, foram apreendidos 32 caminhões usados para transportar o leite adulterado. Como resultado das assinaturas dos termos de Ajustamento de Conduta com indústrias de laticínios, foram revertidos para órgãos públicos, através de doações de bens, cerca de R$ 8 milhões.

Leia tudo sobre: leite adulteradoministério público

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas