Laudo aponta que Bernardo Boldrini não foi enterrado vivo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Perícia não encontrou detritos minerais na traqueia e no pulmão do garoto. Investigações da polícia apontam que o homicídio foi planejado e executado pela madrasta da criança

O garoto Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, estava morto quando foi enterrado em um matagal em Frederico Westphalen, no Noroeste do Rio Grande do Sul, segundo a Polícia Civil. Um laudo divulgado nesta sexta-feira (25) indica que nas amostras de traqueia e pulmão de Bernardo não haviam detritos minerais como a presença de terra.

O caso: Polícia apura se menino foi morto por injeção letal; pai e madrasta são presos
Delegada: 'Não tenho dúvida do envolvimento do pai, da madrasta e da amiga'
Enterro: Corpo de menino morto é sepultado no Rio Grande do Sul

Ainda de acordo com informações da polícia, análise dos órgãos do garoto devem indicar se a morte se deu pela ingestão de substância tóxica, entorpecente, barbitúrico, ou por asfixia.

O corpo de Bernardo foi encontrado no último dia 14, em uma mata, após ficar desaparecido por 10 dias em Três Passos (RS). Ele teria saído de casa para ir dormir na casa de um amigo, onde nunca chegou.

Leia também:
Colégio de Bernardo Boldrini retoma as aulas com ajuda de psicóloga no RS
Ex-babá de menino morto no RS diz que madrasta tentou asfixiá-lo; assista
Menino teria sido dopado antes de receber injeção letal, disse amiga à polícia

No dia que Bernardo sumiu, a madrasta foi multada por excesso de velocidade em uma rodovia de Frederico Westphalen, local onde o corpo foi encontrado.

As investigações da polícia apontam que o homicídio foi planejado e executado pela madrasta da criança, a enfermeira Graciele Ugolini, com ajuda de uma amiga, a assistente social Edelvânia Wirganovicz. As duas, junto com o pai do garoto, o médico Leandro Boldrini, estão presos.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas