Suspeita não sabia se Bernardo estava morto quando foi enterrado, diz delegada

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Delegada afirmou que, segundo amiga, madrasta aplicou uma injeção no menino e o enterrou, sem saber se tinha pulsação

A única suspeita de participação na morte do menino Bernardo Uglione Boldrini que colabora com a investigação da polícia, a assistente social Edelvânia Wirganovicz, afirmou que não tinha certeza se o garoto já estava morto quando foi enterrado em uma mata na cidade de Frederico Westphalen (RS). Segundo a delegada Caroline Virginia Bamberg, Edelvânia afirmou que "Kelly (Graciele Ugulini, madrasta de Bernardo) não olhou se o menino tinha pulsação”.

Colégio de Bernardo Boldrini retoma as aulas com ajuda de psicóloga no RS

Divulgação
O menino, morador de Três Passos, estava desaparecido havia 10 dias

A informação foi dada pela delegada responsável pela investigação da morte de Bernardo, nesta terça-feira (22). À imprensa, ela contou como foi a morte do menino, segundo depoimento de Edelvânia.

O caso: Polícia apura se menino foi morto por injeção letal; pai e madrasta são presos
Delegada: 'Não tenho dúvida do envolvimento do pai, da madrasta e da amiga'

Segundo a amiga, que também está presa, a madrasta do menino aplicou uma injeção no braço de Bernardo, que "foi apagando”. No trajeto de Três Passos até Frederico Westphalen, Bernardo ouviu da madrasta que estavam indo para uma consulta com uma benzedeira e que “ele receberia um piquezinho na veia”. Após a aplicação da injeção, Edelvânia disse que elas tiraram a roupa do menino e o colocaram no buraco cavado como cova

Mais:
Ex-babá de menino morto no RS diz que madrasta tentou asfixiá-lo; assista
Menino teria sido dopado antes de receber injeção letal, disse amiga à polícia
Enterro: Corpo de menino morto é sepultado no Rio Grande do Sul

Participação do pai

Reprodução/Facebook
O casal preso suspeito pela morte do menino

Ainda segundo a delegada, há elementos que comprovam o envolvimento do pai de Bernardo, o médico cirurgião Leandro Boldrini, no crime.

"Eu tenho convicção que de alguma forma ele participou. Eu não vou falar porque ainda estou investigando. Não estou satisfeita. Estamos trabalhando, se não tivesse nenhuma dúvida, eu iria concluir o inquérito. Tenho de apurar a participação de cada um deles", disse a delegada, que também não descarta a participação de mais alguma pessoa no assassinato.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas