Curto-circuito causou incêndio em mercado público de Porto Alegre

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Motivo da sobrecarga na rede elétrica ainda será apurado por análises de laboratório

Agência Estado

O incêndio que destruiu 10% do Mercado Público de Porto Alegre na noite de sábado (6) teve como causa um curto-circuito nas instalações elétricas do Restaurante Atlântico, localizado no quadrante norte do segundo piso. A conclusão foi apresentada nesta segunda-feira (8) pelo coordenador dos trabalhos da perícia Rodrigo Edert. O motivo da sobrecarga ainda não foi identificado. "O aquecimento foi causado por outro evento", afirmou o perito. "Vamos apurar no laboratório qual foi a origem".

Leia mais: Incêndio destrói parte do Mercado de Porto Alegre

Futura Press
Incêndio atinge Mercado Público da cidade de Porto Alegre (RS)



O calor consumiu a capa de fios que passavam pelo local e derreteu dutos de proteção, formando o foco de incêndio que se espalhou para as paredes e para o teto de três quadrantes, apoiado em madeira. A cobertura do vão central, instalada no década de 1990, não foi destruída porque é composta de material resistente ao fogo. Isso evitou que o teto desabasse sobre o piso térreo, onde está a maioria das 111 bancas do mercado.

Insegurança: Mercado de Porto Alegre não tinha plano contra incêndio

O incêndio destruiu total ou parcialmente oito restaurantes instalados no segundo andar do edifício de 144 anos, duas lojas vazias e uma sala que guardava o acervo histórico e cultural do Mercado Público. Os demais comerciantes foram autorizados a entrar no prédio nesta segunda-feira e passaram o dia limpando seus estabelecimentos e encaminhando estoques para depósitos. Não está definida a data de reabertura das bancas, mas a expectativa é que seja na semana que vem, depois da revisão estrutural e do restabelecimento da rede de energia elétrica.

Os permissionários que perderam mercadorias e os que terão de restaurar seus estabelecimentos terão acesso a alguns benefícios para retomarem suas atividades. O Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) anunciou a criação de uma linha de crédito especial, com juros de 0,95% ao mês, carência de 12 meses e prazo de cinco anos para quitação. A prefeitura pode reduzir ou isentar o aluguel de quem ficar impedido de retomar suas atividades por alguns meses. O governo federal poderá disponibilizar recursos do PAC Cidades Históricas para a restauração do teto.

O delegado Hilton Müller, responsável pela investigação, disse que está certo que não houve incêndio criminoso, admitindo que "o elemento subjetivo é incêndio culposo". Com as informações da perícia e depoimentos que já começou a colher, ele acredita que pode chegar à identificação de quem tenha acionado a sobrecarga por negligência ou imprudência, se for o caso. O policial também confirmou que o equipamento de combate a incêndios, como hidrantes, mangueira e extintores, estava funcionando. O fogo começou quando o mercado já estava fechado ao público. O restaurante onde ocorreu o curto-circuito já estava vazio. As poucas pessoas que ainda estavam no prédio tiveram tempo de sair e ninguém se feriu.

Fortunati
O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati (PDT) agradeceu nesta segunda-feira "do fundo do coração", o imediato apoio e solidariedade da presidente Dilma Rousseff ao Mercado Público da capital gaúcha, onde ocorreu um incêndio no último fim de semana.

"A presidenta Dilma me telefonou, prestando apoio financeiro para que Porto Alegre reconstrua um mercado que é a alma da cidade", disse, em discurso durante cerimônia de lançamento do programa Mais Médicos, no Palácio do Planalto. (colaboraram Laís Alegretti e Rafael Moraes Moura)

Leia tudo sobre: incêndioporto alegremercado público

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas