Incêndio que matou 242 pessoas ocorreu na madrugada de 27 de janeiro. Dois sócios da casa noturna e dois integrantes da banda estavam presos, mas conseguiram habeas corpus

Agência Estado

Réus por incêndio na Kiss responderão por homicídio e tentativa de homicídio com dolo eventual qualificado por fogo, asfixia e motivo torpe
Mauricio Barbosa/Futura Press
Réus por incêndio na Kiss responderão por homicídio e tentativa de homicídio com dolo eventual qualificado por fogo, asfixia e motivo torpe

Centenas de familiares e amigos das 242 pessoas mortas na tragédia da boate Kiss foram às ruas de Santa Maria (RS) na tarde desta quinta-feira (30) para contestar a decisão da Justiça que liberou os quatro réus que estavam presos para que respondam ao processo em liberdade. Ao mesmo tempo, em Porto Alegre, dezenas de manifestantes se reuniram no Arco do Expedicionário, no Parque Farroupilha, para demonstrar solidariedade ao grupo que protestava na cidade da região central do Rio Grande do Sul.

Justiça revoga prisão e músicos e donos na boate Kiss vão responder em liberdade

Portando cartazes com palavras como "vergonha" e "queremos justiça", além de fotos das vítimas, os participantes dos atos demonstraram revolta e tentaram mostrar que, ao contrário do que os desembargadores afirmaram para liberar os acusados, o clamor popular pela tragédia persiste. No anonimato, um pai mais exaltado chegou a dizer a uma rádio local que pode se tornar mais um delinquente. "Não sei que decisão tomar porque não tenho equilíbrio emocional para cruzar com um cidadão desses aí", revelou, referindo-se à possibilidade de encontrar um dos quatro réus ao acaso.

"Se eles (os desembargadores) achavam que não tinha mais comoção, está provado que tem, sim", afirmou o presidente da Associação das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Adherbal Ferreira, reiterando que todos ficaram com a sensação de um segundo velório apenas quatro meses depois de enterrarem seus filhos. Ferreira lembrou ainda que, a pedido de autoridades, familiares e amigos mantiveram a calma para evitar que o processo fosse transferido de Santa Maria para outra comarca. Mas, depois da soltura dos presos, revelou que todos estavam se sentindo como se tivessem sofrido um "desaforo da Justiça".

Vítimas: Morre 242ª vítima de tragédia em boate de Santa Maria
Processo: Juiz aceita denúncia do MP contra oito acusados pelo incêndio da Kiss

O incêndio ocorreu na madrugada de 27 de janeiro e provocou comoção internacional. Dois sócios da casa noturna - Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann - e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira - Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão - estavam presos temporariamente desde o final daquele mês e responderão a processo por homicídio e tentativa de homicídio com dolo eventual qualificado por fogo, asfixia e motivo torpe.

Veja imagens de algumas das vítimas do incêndio:


Na tarde de quarta-feira, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul aceitou pedido dos defensores e relaxou a prisão dos quatro por entender que já não se faz presente o clamor público, não há qualquer demonstração de que os acusados venham a interferir no andamento da instrução criminal e não ver risco de que eles venham a fugir do País porque estão com passaportes retidos.

Veja especial do iG sobre o incêndio em Santa Maria
Imagens: Vídeos mostram o momento em que começou o incêndio na casa noturna

No final da noite de quarta-feira (29), os quatro deixaram a Penitenciária Estadual de Santa Maria sem informar à imprensa onde passarão os próximos dias. O advogado de Spohr, Jader Marques, confirmou que seu cliente ficará em Porto Alegre por algum tempo. Os advogados dos demais réus não retornaram os telefonemas da reportagem durante a quinta-feira (30).

A decisão surpreendeu o Ministério Público, que promete esperar a publicação do acórdão para encaminhar novo pedido de prisão dos quatro ao Superior Tribunal de Justiça. Os promotores que trabalham no caso entendem que persiste o clamor popular em Santa Maria e consideram que, mesmo sem passaportes, os réus podem seguir para outros países se utilizando das facilidades existentes para transpor as fronteiras com o Uruguai e a Argentina, distantes menos de 400 quilômetros de Santa Maria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.