MP denuncia dois suspeitos de fraudar leite no Rio Grande do Sul

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Pai e filho, donos da empresa LTV - Indústria e Comércio de Laticínios LTDA, foram denunciados após, segundo o Ministério Público, adulteraram leite em diversas ocasiões

Agência Estado

Dois suspeitos de participar das fraudes de leite no Rio Grande do Sul foram denunciados nesta quarta-feira (15), pelo Ministério Público do Estado. Essa é a primeira denúncia após a Operação Leite Compen$ado do MP desarticular um esquema de adulteração de leite in natura por empresas responsáveis pelo transporte do produto.

Leia tembém: Ministério Público investiga mais suspeitos de adulterar leite no RS

Agência Brasil
Clóvis Augusto Versalli Serafini, chefe substituto da Divisão de Inspeção de Leite, Mel e Derivados, do Ministério da Agricultura, fala sobre a Operação Leite Compen$ado

Os denunciados são Luis Vincenzi e Leandro Vincenzi, sócios-proprietários da empresa LTV - Indústria e Comércio de Laticínios LTDA, localizada na cidade de Guaporé. Pai e filho são acusados de crime de adulteração de produto alimentício destinado a consumo tornando-o nocivo à saúde.

Para aumentar o volume e o prazo de validade do produto e, consequentemente o lucro da empresa, as transportadoras adicionavam ureia (que contém formol, um elemento considerado cancerígeno pela Organização Mundial da Saúde) ao leite. No caso da LTV, o MP apurou que entre 2011 e 2013, Luis e Leandro Vincenzi adulteraram a bebida em diversas ocasiões.

Segundo as investigações, uma mistura química de água e ureia era colocada nos tanques de coleta dos caminhões antes mesmo do leite ser recolhido com os produtores. Em todas as análises do leite cru refrigerado da LTV foi constatada a presença de formol.

Mais: 
A operação: Operação prende 8 acusados de adulterar leite no RS; empresa é interditada
Desdobramento: Governo do RS retira outras marcas de leite do mercado

Para o promotor Mauro Rockenbach, Leandro Vincenzi, administrador da empresa, que já está preso, era responsável pela articulação da fraude. Já o seu pai ficava encarregado da parte logística do esquema: ele observava a movimentação dos funcionários do Ministério da Agricultura e, em caso de fiscalização, orientava os motoristas que transportam o produto adulterado.

De acordo com as notas fiscais emitidas pela Secretaria da Fazenda, constatou-se que tanto Luis Vincenzi quanto a empresa investigada adquiriram ureia e formol nos últimos dois anos, sendo que a última compra tem registro de 5 de março.

O MP acredita que a adulteração de leite no Estado gaúcho ocorra há pelo menos quatro anos. As evidências de fraude apareceram em um levantamento da Receita Estadual, que revelou que as aquisições de ureia por empresas de transporte de leite se intensificaram a partir de 2009. A promotoria afirmou que novas denúncias serão oferecidas contra outros envolvidos no esquema nos próximos dias.

Leia tudo sobre: ministério públicopmleite adulterado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas