Vigia é condenado a 23 anos de prisão por manter mulher refém por 3 dias no RS

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Homem foi condenado por ter mantido sua ex-companheira em cárcere privado por 69 horas, no mais longo caso do gênero registrado no Rio Grande do Sul até hoje

Agência Estado

O Tribunal do Júri da Comarca de Canoas (RS) condenou o vigia Rodrigo Luciano Luz a 23 anos, 1 mês e 15 dias de reclusão por ter mantido sua ex-companheira em cárcere privado por 69 horas, no mais longo caso do gênero registrado no Rio Grande do Sul até hoje.

O caso: Após 3 dias, vigilante se rende e liberta ex-mulher em Canoas

AE
Mulher é libertada em Canoas após 3 dias como refém

A decisão foi tomada na madrugada desta terça-feira, 23, ao final de uma sessão que durou 15 horas. O regime inicial de cumprimento da pena será fechado. O sequestro ocorreu no dia 12 de fevereiro de 2010.

A denúncia oferecida pelo Ministério Público narrou que Luz, inconformado com a separação, entrou na casa da ex-companheira portando arma de fogo e passou a impedir que ela e seus dois filhos - um menino de 11 anos e uma menina de sete anos à época - saíssem de casa.

No dia seguinte, libertou as crianças, mas manteve-se irredutível, chegando a disparar um tiro para fora da casa, onde o namorado de uma irmã da mulher tentava demovê-lo do sequestro. O vigia só se entregou à polícia ao final do terceiro dia.

Leia tudo sobre: canoasrio grande do sulcárcere privado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas