Após reunião, entidade que representa parentes de vítimas afirma que vai acompanhar evolução do inquérito sobre responsabilidade de perto, mas com paciência e neutralidade

Agência Estado

A Associação dos Familiares das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (RS) vai acompanhar de perto a evolução do inquérito que apontou 28 pessoas com responsabilidades pelo incêndio da boate Kiss, mas com neutralidade. A decisão foi tomada em reunião da diretoria e anunciada em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (25).

"Sabemos que a entrega das conclusões da polícia é uma coisa e os desdobramentos que ainda virão são outra", explicou o presidente da entidade, Adherbal Ferreira. "Não tomaremos uma posição acusatória, mas de paciência", prosseguiu. "Queremos justiça, não abrimos mão disso, mas não queremos vingança".

Ferreira disse que a maioria dos participantes da associação ficou satisfeita com o resultado do inquérito que Polícia Civil enviou à Justiça na sexta-feira (22). Os cinco delegados que comandaram a investigação indiciaram 16 pessoas, das quais nove por dolo eventual. Também apontaram responsabilidades de outras 12, a quem não podem indiciar porque a admissibilidade e abertura de eventual processo cabem à Justiça Militar, no caso de bombeiros, e à 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, no caso do prefeito Cezar Schirmer (PMDB), que tem foro privilegiado.

Vídeo mostra o início do incêndio na boate Kiss: 

Leia mais: Imagens mostram momento em que incêndio começou na casa noturna
O inquérito: Polícia do RS indicia criminalmente 16 pessoas por tragédia na boate Kiss

A tragédia ocorreu na madrugada de 27 de janeiro e foi provocada pelo uso de artefato pirotécnico durante show musical. A boate estava superlotada e não tinha saídas de emergência. O fogo queimou a espuma de revestimento acústico, gerando uma fumaça tóxica que matou 234 pessoas no mesmo dia e outras sete posteriormente, em hospitais.

A polícia responsabilizou músicos e sócios da casa noturna, funcionários públicos, bombeiros e prefeito por ações e omissões que teriam levado à sucessão de falhas que criaram condições para o desastre, entre as quais emissão de alvarás sem todas as exigências de proteção contra incêndios, falta de fiscalização, instalações inseguras, superlotação, material de isolamento inadequado e show pirotécnico em ambiente fechado.

Dos 16 indiciados que podem ir a júri popular, nove foram acusados de 241 homicídios e 623 tentativas de homicídio. O Ministério Público está analisando as 13 mil páginas e 52 volumes do inquérito desde a manhã de sábado e vai emitir seu parecer à Justiça na semana que vem.

Família: Pais de vítimas da boate Kiss concordam com o resultado do inquérito policial
Defesa: Advogados de sócios da Kiss classifica inquérito como 'covardia institucional'

Nesta quarta-feira, quando a tragédia completa dois meses, a associação vai pedir que os moradores de Santa Maria e as pessoas solidárias à dor dos familiares e vítimas se manifestem com algum sinal sonoro, sobretudo buzinas de automóveis, às 18 horas.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.