Mais de cem alunos da instituição morreram no incêndio da boate Kiss ou em consequência dele. Professor diz que entre 5% e 10% dos estudantes têm crises de choro durante aulas

Agência Brasil

Aluna emocionada na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM)
Wesley Santos/Futura Press
Aluna emocionada na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM)

Um mês após a tragédia que matou 239 pessoas na Boate Kiss, a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) se prepara para entrar em recesso e encontrar formas de lidar com o luto. Pelo menos 117 jovens, alunos da instituição, morreram no incêndio ou em consequência dele. Desses, 65 pertenciam ao Centro de Ciências Rurais, que inclui os cursos de agronomia – que organizou a festa do dia 27 de janeiro –, zootecnia e veterinária.

Mais: Um mês após a tragédia de Santa Maria, três pessoas permanecem em UTI

Denúncia:  MP deve denunciar quatro por homicídio qualificado na boate Kiss

Apesar de numericamente ter perdido mais alunos, o diretor do Centro de Ciências Rurais da UFSM, professor Thomé Lovatto, diz que as mortes foram sentidas igualmente por toda a comunidade acadêmica. “O sentimento é o mesmo. Não dá para dizer que, porque nós perdemos numericamente mais, os outros perderam menos. A integração era muito grande entre os cursos. Os alunos se conheciam e conviviam” explicou.

Infográfico: Conheça as regras e saiba como é uma casa noturna segura

Segundo ele, apesar de a universidade ter retomado as aulas na segunda semana após a tragédia, ainda é preciso um monitoramento constante de alunos e professores e o apoio de psicólogos durante as atividades. Entre 5% e 10% dos alunos têm crises de choro e depressão durante as aulas e, muitas vezes, precisam interromper os trabalhos.

Confira a cobertura do iG sobre a tragédia de Santa Maria
Galeria: Saiba quem são as vítimas do incêndio na boate Kiss
Parentes de vítimas da Boate Kiss querem associação para reivindicar direitos

Nesses casos, o diretor conta que eles não deverão passar pelas avaliações do fim do semestre letivo. “Estamos em atenção aos alunos que ficaram com sequelas psicológicas. Os professores vão deixar as avaliações em aberto e, no próximo semestre, eles retornam para fazer as disciplinas novas e concluir as que ficaram incompletas”.

O semestre letivo será encerrado no próximo dia 6, em função de um atraso provocado pela greve no ano passado. As aulas serão retomadas no dia 1º de abril. Os professores e coordenadores dos cursos preparam uma “recepção diferenciada” para os alunos, segundo Lovatto. “Perdemos calouros na tragédia, que deveriam começar a vida acadêmica no semestre que será iniciado. Vamos ter de preparar uma recepção para quem perdeu esses colegas”, acrescentou.

O diretor conta que os professores também precisaram de acompanhamento. De acordo com ele, na semana depois do incêndio, foram feitas reuniões com o corpo docente para prepará-lo para lidar com os alunos e com o próprio luto. A universidade recebeu o apoio de centros de psicologia de outras instituições, como a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Na segunda semana, os alunos começaram a voltar para o campus e foram oferecidos espaços para manifestações e desabafos. Somente a partir da terceira semana após a tragédia é que as atividades normais foram retomadas, já em ritmo de encerramento de semestre.

Nos próximos meses, o professor Lovatto diz que novos desafios devem ser enfrentados, como a ajuda às famílias que perderam, por exemplo, quem as sustentava financeiramente. “Nós temos 34 famílias que perderam seus mantenedores. É o caso de um segurança da boate. Ele mantinha a mãe e as duas irmãs, que também já tinham filhos. Agora vamos ter que pensar nessas situações, no sentido de garantir um sustento para essas famílias. Vamos ver como a universidade pode ajudar”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.