Promotor norte-americano irá ajudar nas investigações sobre boate Kiss

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Patrick Lynch foi responsável pela acusação no caso do incêndio na casa norturna The Station, em Rhode Island (EUA). Segundo o MP, ele veio ao Brasil por iniciativa própria

Agência Brasil

O promotor de Justiça do estado norte-americano de Rhode Island, Patrick Lynch, viaja hoje (20) à cidade de Santa Maria (RS) para dividir sua experiência com os membros do Ministério Público do Rio Grande do Sul (RS) que atuam no município. Lynch foi responsável pela acusação na área criminal e cível no caso do incêndio na boate The Station, na cidade de West Warwick, em Rhode Island. A tragédia, que ocorreu há dez anos, causou a morte de 100 pessoas.

Mais: Justiça nega liberdade a envolvidos em incêndio em Santa Maria
Entidade pede indenização de R$ 3 milhões por vítima do incêndio da Kiss

As investigações mostraram que a casa estava superlotada e que não tinha saídas de emergência adequadas. Várias pessoas foram pisoteadas ao tentar deixar o local. De acordo com a Associação Nacional de Proteção contra Incêndios dos Estados Unidos (NFPA), o incêndio foi o quarto maior, em número de mortes, em uma casa noturna na história do país.

Segundo o Ministério Público do Rio Grande do Sul, o promotor norte-americano veio ao Brasil por iniciativa própria. Ele desembarcou ontem (19) em Porto Alegre e foi recebido pelo procurador-geral de Justiça do estado, Eduardo de Lima Veiga. Durante o encontro, eles conversaram sobre os episódios trágicos nos dois países.

Leia também:
Parentes de vítimas da Boate Kiss querem associação para reivindicar direitos
Confira a cobertura do iG sobre a tragédia de Santa Maria
Galeria: Saiba quem são as vítimas do incêndio na boate Kiss

Nesta quarta-feira, Patrick Lynch se reunirá com o promotor criminal em Santa Maria, Joel Dutra, e com o coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal do Ministério Público Estadual, David Medina da Silva. O incêndio da Boate Kiss, que ocorreu em 27 de janeiro, resultou na morte de 239 pessoas. As causas do acidente ainda estão sendo investigadas, mas relatos iniciais indicam que muitas vítimas morreram por asfixia e não queimadas.

A casa noturna costumava fazer diversas festas universitárias, como a que ocorreu na madrugada da tragédia. Segundo as investigações, o fogo começou por volta das 2h30, após uma faísca atingir o teto de isolamento acústico da boate.

Leia tudo sobre: incêndio em santa mariaboate kiss

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas