Dez jovens receberam altas nas últimas 24 horas e 18 ainda precisam de ventilação mecânica para respirar; incêndio na Kiss deixou 238 mortos

O número de pacientes feridos no incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), e que permanecem hospitalizados caiu para 65, segundo boletim divulgado hoje (7) pela Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul. Do total, 18 ainda precisam de ventilação mecânica para respirar.

Mais: Polícia diz que imagens mostram que banda usava pirotecnia em shows no RS

Nas últimas 24 horas, dez pacientes receberam alta, sendo três em Santa Maria, seis em Porto Alegre e um em Canoas. Há 39 pacientes internados em Porto Alegre, dois em Canoas, 23 em Santa Maria e um em Caxias do Sul.

Perícias

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul cumpriu mandados de busca e apreensão na casa dos cinco integrantes da banda Gurizada Fandangueira, em Santa Maria e Rosário do Sul, nesta quarta-feira. O material coletado, sobretudo imagens em papel ou copiadas de computadores, comprova que a banda usava pirotecnia em seus shows .

A investigação feita por um grupo de delegados da Santa Maria já interrogou cerca de cem testemunhas e tem outras 500 para ouvir nas próximas semanas. Nesta quarta foram ouvidos seis bombeiros que participaram da operação de resgate no dia do incêndio.

Leia também:
Sócio da Kiss é levado para penitenciária
Após vistoria em boate, Crea/RS cobra consolidação das leis contra incêndio
Espuma usada na Kiss foi comprada em loja de colchões, diz comerciante

Outros seis prestarão depoimento nos próximos dias. Os proprietários da casa noturna, Elissandro Spohr, conhecido como Kiko, e Mauro Hoffmann, estão presos e serão ouvidos novamente antes do fim do inquérito, previsto para o início de março.

A polícia considera que artefato usado pela banda provocou o fogo e que a fumaça provocada pela queima da espuma que revestia a casa noturna tornou-se a causa direta da maioria das mortes, por asfixia. Além disso, a lotação excessiva do local dificultou a fuga na hora do pânico.

*com Agência Brasil e AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.