Grupo da Universidade de Toronto vai avaliar aplicação de técnica de filtragem do pulmão para melhorar recuperação das vítimas ainda internadas

Agência Brasil

Uma equipe da Universidade de Toronto, no Canadá, chega hoje (2) ao Brasil para avaliar a situação de vítimas do incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria (RS). O grupo deve iniciar a aplicação, em pacientes internados, da chamada ventilação extracorpórea. “É como se fosse uma diálise do pulmão, uma filtragem no pulmão, só que é feita com uma máquina que fica fora do corpo” explicou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. De acordo com o ministério, a técnica ajuda a promover uma recuperação pulmonar mais rápida.

A equipe canadense será comandada pelo médico Marcelo Cypel, diretor do programa de suporte pulmonar extracorpóreo da universidade. Os equipamentos necessários para a implementação da técnica, de acordo com o governo brasileiro, já estão disponíveis no estado.

Leia: Cinco feridos do incêndio em boate recebem alta de hospitais de Porto Alegre

Ao todo, 66 voluntários da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e psiquiatras, trabalham no atendimento às vítimas do incêndio, que matou mais de 230 pessoas na madrugada do último domingo (27).

O ministério eviou ao Rio Grande do Sul 22 respiradores, sete ambulâncias de unidade de terapia intensiva (UTI) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); 30 ventiladores, 30 oxímetros de pulso e 15 monitores.

'Tirem suas próprias conclusões', diz delegado ao postar foto de show na Kiss
Veja a cobertura completa do iG sobre o incêndio em Santa Maria
Galeria: Saiba quem são as vítimas do incêndio em boate de Santa Maria 

Além disso, por meio de videoconferências, a equipe da Força Nacional do SUS está em contato com profissionais da Argentina que atuaram em uma tragédia similar. “O que existe de mais moderno está à disposição desses pacientes que estão em Porto Alegre e Santa Maria”, disse Padilha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.