Governador do Rio Grande do Sul disse ainda que boate Kiss deveria ter sido lacrada em agosto de 2012, quando a documentação contra incêndio venceu

Agência Estado

A boate Kiss, em Santa Maria, não deveria ter autorização para funcionar, na opinião do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT). Em entrevista à Rádio Estadão, na manhã desta quinta-feira, o político disse que a prefeitura não deveria ter concedido alvará para a casa noturna que pegou fogo no domingo, causando a morte de mais de 230 pessoas.

DJ presta depoimento e confirma superlotação da Kiss na hora do incêndio
Confira cobertura completa do iG sobre o incêndio de Santa Maria

"Mesmo que (a boate) estivesse dentro de normas legais de engenharia, qualquer leigo olharia aquele local e não daria alvará. Não tinha portas laterais, era uma espécie de alçapão, uma estrutura predatória da vida humana. E era visível que a casa estava preparada para receber mais gente do que o autorizado, cerca de 600 pessoas", afirmou Genro.

O governador disse, ainda, que a prefeitura deveria ter lacrado a boate em agosto, quando venceu o alvará dado pelo Corpo de Bombeiros. "Mesmo que o documento esteja em análise, a casa deveria estar fechada até o documento sair."

Delegado que investiga incêndio deixou férias e apura mortes de prima e alunos
Galeria: Saiba quem são as vítimas do incêndio em boate de Santa Maria
Infográfico: Saiba como aconteceu o incêndio na boate

Ainda segundo Genro, a tragédia de Santa Maria pode acontecer em qualquer cidade. "Isso que aconteceu em Santa Maria pode ocorrer em qualquer lugar do País hoje. Basta que as boates estejam lotadas." O governador disse que pediu ao Ministério Público para elaborar uma proposta de unificação das leis de segurança em edificações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.