Segundo decisão do juiz Afif Simões Neto, não há motivos plausíveis para desfazer a sentença do Juiz Régis Adil Bertolini, que decretou a prisão de Elissandro Callegaro Spohr

A Justiça do Rio Grande do Sul negou o pedido de liberdade provisória em favor de Elissandro Callegaro Spohr, um dos sócios da boate Kiss, de Santa Maria, onde ocorreu o incêndio que matou mais de 235 pessoas, no último domingo (27). A decisão foi do juiz plantonista da comarca de Santa Maria Afif Simões Neto.

Mais:
Delegado confirma tentativa de suicídio de sócio da boate Kiss

Flores e cartazes com mensagens de familiares e amigos estão sendo deixados na frente da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), nesta segunda-feira (28)
Vinícius Costa/Futura Press
Flores e cartazes com mensagens de familiares e amigos estão sendo deixados na frente da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), nesta segunda-feira (28)

Na decisão, o juiz informa não há motivos plausíveis para desfazer a sentença do Juiz Régis Adil Bertolini. "O decreto de prisão temporária embasou-se em sólidos fundamentos fáticos e jurídicos, principalmente no que diz respeito à necessidade da custódia para a investigação que se encontra em curso", destacou o juiz.

Segundo a decisão, o magistrado informa que a polícia pretende tomar mais depoimentos de Spohr, mas que aguarda a liberação do médico que trata o sócio da Kiss, hospitalizado em Cruz Alta, para ouvi-lo. 

Spohr foi preso temporariamente por cinco dias. Além dele, estão presos dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira e o outro sócio da boate, Mauro Hoffman.

Galeria: Saiba quem são as vítimas do incêndio em boate de Santa Maria
Entenda: Delegado pede prorrogação de prisão temporária de donos e músicos de boate


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.