Prefeito nega jogo de empurra e diz que incêndio em Santa Maria foi fatalidade

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

"Famílias não merecem esse jogo de empurra, merecem uma avaliação séria e técnica. Foi uma fatalidade o que aconteceu aqui. Estamos todos traumatizados" , disse o prefeito

Agência Brasil

O prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer, negou nesta quarta-feira (30) que esteja havendo um jogo de empurra sobre as responsabilidades na fiscalização da boate Kiss, onde um incêndio matou mais de 230 pessoas.

Entenda: Investigação sobre tragédia em Santa Maria chega à disputa política
Especialista: “Tragédia mostra falta de conhecimento das autoridades brasileiras”
Defesa da boate: 'Ação dos bombeiros foi desastrosa, infeliz e inoperante', diz advogado
Bombeiros: Boate cumpria norma, mas obstáculos e lotação ampliaram tragédia
Vítima: 'Coloquei a vida deles nas mãos de Deus', diz mãe após perder filhos em tragédia

Divulgação/Prefeitura
O prefeito de Santa Maria, Cezar Schirmer

Schirmer voltou a dizer que a prefeitura vistoriou a boate na data prevista, em abril do ano passado, e encontrou a documentação em dia. Segundo ele, na época, os fiscais observaram que o alvará sobre prevenção de incêndios só venceria em agosto de 2012 e, por isso, não tinham motivos para fechar o estabelecimento.

"As famílias não merecem esse jogo de empurra, merecem uma avaliação séria e técnica. Foi uma fatalidade o que aconteceu aqui. Estamos todos traumatizados" , disse o prefeito.

Apesar disso, ele disse que repassa verba mensalmente ao Corpo de Bombeiros para, entre outras ações, atuarem na prevenção de incêndios. No ano passado, segundo ele, foram repassados mais de R$ 700 mil. "Não é meu papel dizer que o culpado é esse ou aquele. Meu papel é dizer como é a legislação", destacou.

Infográfico: Veja como aconteceu o incêndio na boate em Santa Maria
Saiba quem são as vítimas do incêndio em boate de Santa Maria

Schirmer acrescentou ainda que a Boate Kiss estava classificada como de risco médio, no que se refere à prevenção de incêndios. Por isso, segundo ele, a fiscalização dos bombeiros era anual. Apesar de o alvará de prevenção e combate a incêndios estar vencido, Schirmer disse que a legislação não prevê o fechamento da boate, enquanto a documentação estiver sendo regularizada.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas