Comoção e solidariedade marcam 1ª noite pós-desastre em Santa Maria

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Causas do incêndio continuam a ser investigadas e voluntários prosseguem no trabalho de assistência às famílias. Primeiros enterros devem acontecer a partir das 9h desta segunda

BBC

BBC

Um dia após o incêndio que matou 231 pessoas na boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, a cidade agora se prepara para enterrar as vítimas, enquanto as investigações sobre as causas do desastre continuam e voluntários prosseguem no trabalho de assistência às famílias. Por volta da meia-noite deste domingo, pouco menos de 24 horas depois do início do incêndio na Kiss, o Centro Desportivo Municipal para onde os corpos foram levados após o resgate ainda se encontrava repleto de familiares, voluntários e membros da polícia, corpo de bombeiros e Exército.

Leia também: Em nota, boate Kiss lamenta tragédia e diz que situação da empresa é regular

Luto: Familiares se emocionam em velório coletivo no Rio Grande do Sul

Familiares e amigos de vítimas da boate Kiss participam de vigília ue marca um ano da tragédia (27/01/2014). Foto: Luca Erbes/Futura PressGrupo reclama da falta de punição aos responsáveis pela tragédia. Foto: Luca Erbes/Futura PressSobreviventes da Kiss ainda tossem e expelem fuligem um ano após o incêndio . Foto:  Luca Erbes/Futura PressVigília em homenagem aos 242 mortos no incêndio. Foto: Luca Erbes/Futura PressUm ano depois da tragédia, Santa Maria se prepara para homenagear os 242 mortos do incêndio da boate Kiss. Foto: DivulgaçãoAlém do mortos, centenas de pessoas se feriram no incêndio ocorrido no dia 27 de janeiro de 2013. Foto: DivulgaçãoFachada da boate Kiss foi limpa nesta semana para as homenagens de um ano do incêndio em Santa Maria. Foto: DivulgaçãoFlores murchas foram retiradas e cartazes foram limpos por membros de algumas associações de familiares de vítimas da tragédia. Foto: DivulgaçãoFlores e cartazes com mensagens de familiares e amigos foram deixados na frente da boate Kiss após o incêndio. Foto: Vinícius Costa/Futura PressFogo em boate deixou centenas de mortos e feridos na madrugada de domingo; famílias buscam informações. Foto: Juliano Mendes/Futura PressFogo em boate deixou centenas de mortos e feridos na madrugada de domingo; famílias buscam informações. Foto: Juliano Mendes/Futura PressVítima é socorrida durante incêndio na boate em Santa Maria. Foto: Deivid Dutra/A RazãoVista da Boate Kiss após o incêndio controlado que tomou conta do local na madrugada deste domingo matando mais de 200 pessoas em Santa Maria (RS). Foto: Yuri Weber/Jornal A Razão/Ag. O DiaPoliciais civis realizam nova perícia na boate Kiss, centro de Santa Maria, no RS. Foto: Mauricio Barbosa/Futura PressPertences das vítimas ainda podem ser encontrados na entrada da casa noturna Kiss, em Santa Maria. Foto: Mauricio Barbosa/Futura PressPoliciais realizam nova perícia na boate Kiss, na cidade de Santa Maria, nesta terça-feira. Foto: Mauricio Barbosa/Futura PressAutoridade lê a lista de nomes com os sobreviventes do incêndio que passam por atendimento no centro esportivo próximo à boate Kiss. Foto: Yuri Weber/Jornal A Razão/Ag/O DiaEstado em que ficou o bar da boate Kiss após o incêndio que matou mais de 200 pessoas na madrugada deste domingo em Santa Maria (RS). Foto: Deivid Dutra/Jornal A Razão/Ag. O DiaFoto do resgaste de sobrevivente do incêndio que matou mais de 200 pessoas na boate Kiss, que sofreu um incêndio na madrugada deste domingo. Foto: Ricardo Giusti/O DiaDj Bolinha postou esta foto no Facebook antes do acidente. De acordo com testemunhas, os fogos de artifícios usados pela banda Gurizada Fandangueira provocaram o incêndio. Foto: Reprodução/FacebookdjbolinhasmFamiliares de vítimas do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Foto: AP Photo/Ronald Mendes-Agencia RBSBombeiros fazem o socorro na boate enquanto populares chegam para acompanhar o resgate. Foto: Deivid Dutra/A RazãoO fogo começou às 2h da manhã, quando faíscas de um show pirotécnico atingiu a espuma do teto. Foto: Deivid Dutra/A RazãoFachada da boate Kiss pouco após o incêndio que matou pelo menos 200 pessoas neste domingo. Foto: Associated Press/RBSJovem desacordado é socorrido após incêndio em boate em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Foto: Associated Press/RBSFamiliares aguardam liberação para identificação dos corpos e informações em frente ao Centro Desportivo Municipal em Santa Maria (RS), na manhã deste domingo (27). Foto: Rafael Happke/Futura PressFogo em boate deixou centenas de mortos e feridos na madrugada de domingo; famílias buscam informações. Foto: Juliano Mendes/Futura PressFogo em boate deixou centenas de mortos e feridos na madrugada de domingo; famílias buscam informações. Foto: Juliano Mendes/Futura PressBoate pegou fogo a partir das 2h, dizem bombeiros. Nº de mortos não é oficial e pode aumentar. Foto: Divulgação/Um SantamariensePM deposita flores em homenagem aos mais de 230 mortos na calçada da boate Kiss, no centro. Foto: ReutersEnterro da estudante Mariana Callegari, morta no incêndio da boate Kiss. Foto: ReutersFoto da Fuel mostra que festa universitária, realizada em setembro, teve atrações com fogo (canto esq.). Foto: Reprodução/FacebookCentenas de pessoas participaram de uma vigília em frente à boate Kiss, em Santa Maria, após missa de sétimo dia na Catedral Medianeira. Foto: Futura PressFamiliares e amigos participam do velório de Gustava Marques, que teve morte cerebral ontem (29). Foto: Wilson Dias/Agência BrasilFamiliares participam do velório de Gustava Marques, que teve morte cerebral. Na foto, a mãe Elaine Gonçalves. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilFamiliares e amigos participam do velório de Gustava Marques, que teve morte cerebral ontem (29)
. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilFamiliares e amigos participam do velório de Gustava Marques, que teve morte cerebral ontem (29)
. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilFamiliares e amigos participam do sepultamento do estudante Silvio Beuren, em Santa Maria. Foto: ReutersMilhares fazem passeata em homenagem às vítimas que morreram no incêndio na boate Kiss. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilGarota se emociona durante caminhada em homenagem às vítimas (28/01). Foto: APMilhares fazem passeata em homenagem às vítimas que morreram no incêndio na boate Kiss. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilPessoas carregam cartazes em caminhada de protesto (28/01). Foto: APJovens participam de caminhada nos arredores da boate Kiss (28/01). Foto: APAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressSepultamento da vítima Alexandre Machado em cemitério na cidade de Santa Maria. Foto: ReutersAlunos durante homenagens na volta às aulas da Universidade Federal Santa Maria (UFSM), nesta segunda-feira (04). Foto: Wesley Santos/Futura PressHomem chora durante enterro de Vinicius Rosado, que morreu em incêndio em casa noturna em Santa Maria, Rio Grande do Sul. Foto: APEnterro das vítimas do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, nesta segunda-feira
. Foto: Vinicius Costa/FuturapressEnterro das vítimas do incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, nesta segunda-feira
. Foto: Vinícius Costa/Futura PressEnterro das vítimas do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), no Cemitério Municipal. Foto: Vinícius Costa/Futura PresEnterro do soldado Leonardo Machado em cemitério na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. Foto: APGladimir Callegaro (2º à D), pai da vítima Marina Callegaro, e outros parentes choram durante seu enterro em cemitério na cidade de Santa Maria (28/1). Foto: APParentes e amigos são vistos perto de caixão durante enterro de Tanise Cielo, vítima de incêndio em Santa Maria (28/1). Foto: APFamiliares levam caixões para os cemitérios da cidade de Santa Maria, nesta segunda-feira (28). Foto: Vinicius Costa/FuturapressFamiliares levam caixões para os cemitérios da cidade de Santa Maria, nesta segunda-feira (28). Foto: Vinícius Costa/Futura PressVelório coletivo é realizado na quadra do Centro Desportivo Municipal na noite de domingo (27/01). Foto: Vinicius Costa/FuturapressAmigos e familiares das vítimas se emocionam durante velório coletivo (27/01). Foto: Vinicius Costa/FuturapressParentes e amigos participam de velório de vítima de incêndio na Boate Kiss em Santa Maria, Rio Grande do Sul (27/01). Foto: APAmigos e familiares das vítimas se emocionam durante velório coletivo (27/01). Foto: Vinícius Costa/Futura PressVelório coletivo é realizado em um ginásio do Centro Desportivo Municipal, ao lado do pavilhão para onde os corpos retirados da casa noturna foram levados. Foto: Futura PressVítimas do incêndio são veladas no ginásio de Santa Maria. Foto: Futura PressA presidenta Dilma Rousseff durante visita às famílias das vítimas da tragédia ocorrida em boate em Santa Maria. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Presidenta Dilma Rousseff se emociona em pronunciamento sobre incêndio em boate em Santa Maria. Foto: AP


Em meio ao trabalho frenético de assistência, os corpos de 16 vítimas eram velados por seus familiares em caixões colocados no ginásio poliesportivo. A alguns metros dali, um caminhão refrigerado do Exército ainda guardava os corpos de sete vítimas cujas famílias ainda não haviam chegado ao local.

"A parte mais complicada da operação, que era trazer essas pessoas para cá, já passou", disse o major Cleberson Bastianello, do Batalhão de Operações Especiais da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. Segundo ele, todos os corpos já foram identificados e os primeiros enterros já devem acontecer a partir de 9h da manhã desta segunda-feira. "Vamos ficar aqui até entregar o último corpo aos familiares", disse Bastianello.

Vítimas: Veja a lista de corpos identificados

Relato: “Vi pessoas se escondendo dentro de freezers”, diz sobrevivente

Músico: “Ficamos com medo de linchamento”, diz guitarrista que tocava em boate

Nos primeiros minutos desta segunda-feira, o governo do Estado divulgou os nomes das 231 vítimas fatais do incidente. O número é um pouco menor do que o de 233 mortos que havia sido divulgado horas antes, por duplicidade de nomes na lista original. Além disso, de acordo com dados atualizados no final da tarde pela Secretaria Estadual da Saúde, pelo menos 124 feridos estavam sendo atendidos em hospitais de Santa Maria e Porto Alegre.

Voluntários

O incêndio que ocorreu após uma exibição com fogos de artifício durante um show na casa noturna Kiss chocou os moradores de Santa Maria, que tem pouco mais de 261 mil habitantes. Muitos conheciam as vítimas do desastre, em sua maioria jovens universitários. A comoção fez com que muitos deixassem suas casas e se dirigissem ao Centro Desportivo para auxiliar as vítimas e familiares.

Voluntários distribuíam comida e bebidas para as pessoas que trabalhavam no local e carros com doações chegavam a todo momento. Cartazes ainda ofereciam locais para banho e descanso nas imediações. "Todo mundo tem alguém conhecido que estava na tragédia", disse o psicólogo Marcelo Garcez, que desde as 11h da manhã trabalhava na assistência aos familiares das vítimas.

Solidariedade: População prestou primeiros socorros, diz sobrevivente

Testemunhas: Saída principal da boate estava fechada após incêndio

Vídeo: Veja imagens da tragédia em Santa Maria, no Rio Grande do Sul

"A prática profissional acaba se misturando com a pessoal", disse Garcez, que faz mestrado na Universidade Federal de Santa Maria e conta ter perdido uma aluna no incidente. "Procuro não parar para pensar no que está acontecendo. Você faz seu trabalho e só vai começar a elaborar quando estiver em casa", diz.

Médicos também se revezavam em turnos no local. Segundo Tiago Bordignon, que acabara de chegar para um plantão de seis horas de duração, o atendimento é basicamente voltado a familiares e amigos de vítimas. "Se alguém tem uma suspeita de enfarto, por exemplo, fazemos eletrocardiograma, temos medicação. Se não podemos tratar, encaminhamos para um hospital", disse.

Investigação

Enquanto isso, as investigações para apurar a responsabilidade pelo acidente continuam. Neste domingo, a Polícia Civil colheu depoimentos dos principais envolvidos, entre eles um dos proprietários e o chefe de segurança da boate. O incêndio teria tido início após faíscas de um artefato pirotécnico terem entrado em contato com o isolamento acústico do teto da boate.

Segundo o comissário da Polícia Civil Fernando Marques, aparentemente alguns dos seguranças não tiveram visão sobre o que estava acontecendo em um primeiro momento e impediram que os clientes saíssem pela porta da boate sem pagar suas contas. Marques disse que ainda não está claro, no entanto, por quanto tempo os seguranças impediram a saída das vítimas.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas