A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul enviou uma equipe de técnicos para Candelária, na região central do Estado, para investigar se a morte de uma adolescente de 14 anos teve como causa a febre amarela. A garota passou seis dias internada no Hospital Santa Cruz, em Santa Cruz do Sul, com sintomas da doença, entre os quais febre e hemorragia, e morreu na sexta-feira.

Embora morasse em cidade que não está na área de risco da doença, ela havia tomado banhos em rios próximos a matagais. As amostras de sangue já foram enviadas para o Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo. Os técnicos vão investigar se há presença do mosquito transmissor e se ocorreram mortes de macacos no município, informações consideradas importantes para a avaliação de risco de febre amarela na região. A doença matou duas pessoas no Rio Grande do Sul desde dezembro. Outras quatro mortes, inclusive a de Candelária, estão sob investigação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.