Roubo mostra que Pinacoteca cresceu de forma desordenada, diz historiador

SÃO PAULO ¿ O professor de História da Arte da Universidade de Campinas, Nelson Aguilar, disse acreditar que os ladrões teriam mais dificuldade de assaltar a Pinacoteca do Estado que a Estação Pinacoteca, que segundo ele é um lugar ¿muito arejado¿. ¿Isso que aconteceu [o roubo] é muito triste e mostra que talvez a Pinacoteca tenha crescido de maneira desordenada¿, afirmou. Na manhã desta quinta-feira, três homens roubaram quatro obras que pertenciam à Fundação Jose e Paulina Nemirovsky e estavam emprestadas ao museu. A Estação Pinacoteca é um espaço ligado à Pinacoteca do Estado que fica localizado no prédio da Estação da Luz.

Redação |

  • Bandidos roubam quatro obras na Estação Pinacoteca em SP
  • Veja os quadros que foram roubados da  Estação Pinacoteca
  • Veja a lista de outros quadros roubados no Brasil
  • Veja os roubos de quadros no mundo

    É muito grave que uma instituição como a Pinacoteca faça um empréstimo de um colecionador e as obras não fiquem sob condições mínimas de segurança, opinou Nelson Aguilar. É uma coisa decepcionante, que nos faz regredir na confiança que deve haver entre o museu e o colecionador, que empresta de boa vontade.

    As obras levadas pelos assaltantes foram: "Casal" (1919), de Lasar Segall, guache sobre cartão; "O pintor e seu modelo" (1963), de Pablo Picasso, gravura a água-tinta, ponta-seca e buril sobre papel; "Minotauro, bebedor e mulheres" (1933), de Pablo Picasso, gravura a água-forte sobre papel; "Mulheres na janela" (1926), de Di Cavalcanti, pintura a óleo sobre cartão.

    Divulgação
    "Mulheres na janela", de Di Cavalcanti
    Para Nelson Aguilar, a obra de Di Cavalcanti é a mais importante entre as roubadas, por ser única e não múltipla como as gravuras de Picasso. Os ladrões acertaram em cheio: a obra é insubstituível, um marco, disse o professor, que classificou Meninas na janela como uma das obras mais importantes da pintura brasileira e uma obra de formação da imagem que Cavalcanti pesquisava durante os anos em que viveu em Paris.

    O momento, segundo Aguilar, é decisivo na formulação da arte moderna brasileira. Não se pode nem dizer que é uma fase do Di Cavalcanti. É o nascimento de uma fase, comentou. A possibilidade da perda de uma obra dessa qualidade é algo muito triste.

    • Leia tudo sobre: roubo

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG