bode expiatório da crise - Brasil - iG" /

Roseana diz que Sarney virou bode expiatório da crise

BRASÍLIA - A governadora licenciada do Maranhão, Roseana Sarney, e filha do presidente do Senado, José Sarney, disse nesta manhã que o pai está sendo bode expiatório dos problemas no Senado. Ela afirmou que a responsabilidade pelas irregularidades na Casa é de todos e se inclui também na lista de responsáveis, uma vez que foi senadora.

Severino Motta, repórter em Brasília |

"No Maranhão tem um ditado: dance quem dance, quem dá pulo é José. Ele (Sarney) está sendo responsabilizado por tudo", disse Roseana, ao deixar a residência da Presidência do Senado para ir ao médico. Sarney está reunido no local com líderes do PT.

AE
Ideli e Mercadante deixam casa de Sarney

Ideli e Mercadante deixam casa de Sarney

Roseana disse que Sarney tem maturidade e experiência e ela estará ao lado do pai em qualquer atitude que ele tomar sobre a permanência ou não na presidência do Senado. Perguntada sobre a possibilidade de Sarney deixar o comando da Casa, respondeu: "Não vou falar sobre isso. Compete a ele (decidir). Ficaremos do lado dele". 

Estiveram na residência de Sarney nesta manhã a líder do governo no Senado, Ideli Salvatti (PT-SC), o líder do PT na Casa, Aloizio Mercadante, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), o deputado Sarney Filho (PV-MA) e o vice-líder do governo no Senado, Gim Argelo (PTB-DF). Eles avaliam a diminuição do apoio a Sarney, por parte das bancadas, depois de novas denúncias de irregularidades. A realização do encontro antes de o PT anunciar posição oficial sobre a crise no Senado foi uma decisão da bancada do partido tomada ma terça-feira à noite.

Na reunião de ontem, a bancada do PT decidiu não prestar solidariedade incondicional a Sarney. Depois de cerca de duas horas e meia, o partido acabou colaborando para enfraquecer o presidente da Casa ainda mais, ao fechar com uma proposta semelhante àquela apresentada à tarde ao próprio PSDB, que ponderou sobre a necessidade do senador peemedebista se afastar do cargo. Sarney esperava o apoio total dos petistas.

Mercadante relatou que a sugestão é para que se crie uma comissão formada por representantes dos partidos e por consultores do próprio Senado, com o objetivo de gerir a crise e promover a reforma estrutural profunda que a Casa e a sociedade exigem. "Esta comissão vai se integrar à Mesa Diretora de forma complementar, porque o colegiado que compõe a Mesa tem mandato", observou o líder.

Leia também:

Leia mais sobre José Sarney

    Leia tudo sobre: ato secretosarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG