Rodovia que liga o sudoeste paulista ao Paraná, a SP-250 está interditada parcialmente há mais de um mês em razão da queda de barreiras e erosões causadas pelas chuvas, no trecho entre Guapiara e Ribeira, ambas no interior de São Paulo. Usuários e prefeitos da região reclamam que até agora as obras de recuperação não tiveram início.

A estrada é uma alternativa para viagens ao Sul do País em caso de colapso na ligação principal, a rodovia Régis Bittencourt (BR-116).
A SP-250 começa em Vargem Grande, na região metropolitana de São Paulo, e segue até a cidade de Adrianópolis, já no Paraná, onde é possível pegar a BR-476 até Curitiba. De acordo com o comerciante Nilton Passoca de Toledo Silva, ex-prefeito de Apiaí, as chuvas de fevereiro causaram queda parcial da pista em três pontos, entre essa cidade e Guapiara. Houve quedas de barreiras também entre Apiaí e Ribeira, na divisa com o Paraná.

"Informamos ao DER (Departamento de Estradas de Rodagem) que a situação é grave, pois a rodovia escoa a produção agrícola e madeireira da região, além de toda a produção de uma fábrica de cimento, e já houve acidentes." Em alguns pontos, mais da metade da pista ficou danificada com as chuvas e a sinalização é precária. O ponto mais crítico, a 15 quilômetros de Apiaí, foi sinalizado pela prefeitura, contou Silva.

Inconformado com a demora nos reparos, ele tirou fotos dos estragos e enviou ao órgão da Secretaria de Estado dos Transportes. O DER informou que sua equipe de engenharia e uma empresa de geologia terceirizada estiveram no local da obra e fizeram um levantamento da situação. A partir dos dados colhidos, está sendo elaborado um diagnóstico com possíveis soluções e procedimentos para recuperação da via. Também está sendo feita a adequação da sinalização.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.