O desembargador federal Roberto Haddad foi eleito na tarde desta quarta-feira o novo presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), que engloba os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. O novo presidente foi eleito com 20 votos, três a mais que a segunda colocada na disputa, a desembargadora Suzana de Camargo.

O desembargador André Nabarrete ficou em terceiro na corrida eleitoral, com apenas um voto.

Pelo regimento do Judiciário, o segundo colocado assume a vice-presidência do Tribunal. Contudo, Suzana de Camargo já havia ocupado o cargo anteriormente, o que a impede de assumir a função, que será exercida por Nabarrete. A desembargadora será a nova corregedora-geral do TRF-3.

A eleição para a escolha do novo presidente do Tribunal foi polêmica este ano. O pleito que deu a vitória em abril ao desembargador Paulo Otávio Baptista Pereira foi anulado a pedido da desembargadora Suzana de Camargo, que havia ficado em segundo lugar na disputa. Baptista Pereira foi considerado inelegível pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sob a acusação de ter violado um dos artigos da Lei Orgânica da Magistratura, que determina que magistrados que tiverem exercido quaisquer cargos de direção por quatro anos não são mais elegíveis para uma disputa à presidência. Baptista assumiu durante quatro anos consecutivos dois cargos de direção do TRF-3 - o de corregedor-geral e o de vice-presidente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.