Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Roberto Aguiar é o novo reitor da UnB

O ministro da Educação, Fernando Haddad, nomeou hoje o professor de Direito Roberto Aguiar como reitor pro tempore da Universidade de Brasília (UnB). Ex-secretário de Segurança do Rio, o nome de Aguiar havia sido indicado em uma lista tríplice, definida pelo Conselho Universitário da UnB, numa reunião realizada hoje à tarde, pouco antes de terminar o prazo concedido pelo ministro.

Agência Estado |

Mais votado da lista, seu nome foi confirmado horas depois pelo ministro.
O novo reitor assume depois de uma crise, deflagrada com denúncias de envolvimento ex-reitor Thimothy Mulholland no desvio de verbas de recursos destinados para pesquisa. Ao ter seu nome indicado, Aguiar listou suas três prioridades: liberar o prédio da reitoria - ocupado por estudantes há quase duas semanas -, rever as contas da UnB e os contratos das fundações de apoio à Universidade. "Não vamos resolver tudo em um átimo. Vamos unir os diferentes segmentos para que não haja grupos privilegiados", afirmou. O reitor classificou o último período da UnB como um momento de crise, tristeza e perplexidade. "Mas que traz uma série de lições", disse.
Questionado sobre onde será seu primeiro dia de trabalho com reitor, Aguiar respondeu: "No pátio ou no gabinete." Ele disse que não vai ocupar o apartamento funcional - reformado e mobiliado na gestão de seu antecessor - e esperar ainda, encaminhar o mais rapidamente possível um processo eleitoral. Seu mandato é de 90 dias, renováveis por mais 90.
Ao anunciar Aguiar como reitor, Haddad elogiou a comunidade da UnB - estudantes, funcionários e professores. "Eles se comportaram da melhor forma possível para superação dos problemas."
Tanto o ministro quanto o novo reitor disseram que a eleições paritárias - reivindicação dos estudantes - é uma das formas para exercer a democracia nas Universidades. Para eles, o ideal é que o novo formato de eleições seja fruto de ampla discussão e negociação. "Não vamos transformar essa discussão em cabo de guerra."

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG