Vereadora diz ter recebido ameaças do traficante Nem da Rocinha

Andrea Gouvêa Vieira disse que bandido lhe mandou recados ao saber que ela era favorável à instalação de UPP na comunidade

iG Rio de Janeiro |

Em depoimento à Polícia Civil do Rio de Janeiro nesta segunda-feira (5), a vereadora carioca Andrea Gouvêa Vieira (PSDB) disse ter recebido ameaças do chefe do tráfico na favela da Rocinha, na zona sul, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, preso desde o mês passado.

Leia também : Prisão de William de Oliveira expõe proximidade de lideranças comunitárias com o tráfico na Rocinha

A política foi convocada a depôr após a prisão do líder comunitário e funcionário de seu gabinete na Câmara Municipal William de Oliveira na última sexta-feira (2). Ele foi flagrado em um vídeo supostamente negociando a venda de um fuzil com o traficante Nem.

Andrea afirmou que, em 2009, durante um evento em um clube na Gávea, comentou com o prefeito Eduardo Paes sobre a instalação de uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) na Rocinha.

No dia seguinte, segundo ela, o traficante Nem retirou de casa quatro pessoas que estavam no encontro, entre elas o próprio William, e fez ameaças. O criminoso, de acordo com a vereadora, teria mandado recado à ela dizendo que essas pessoas seriam assassinadas caso a UPP fosse instalada.

Leia também : Suposto negociador de fuzil com Nem trabalhava na Casa Civil estadual

A vereadora afirmou ainda que informou diretamente o governador Sérgio Cabral sobre as ameaças. Segundo ela, Cabral repassou as informações para serem apuradas pela Secretaria de Segurança Pública

Sobre William, Andrea afirmou ter ficado perplexa com as imagens, que a conduta do assessor representou total quebra de confiança e determinou a sua exoneração.

Em nota, a Secretaria de Segurança informou ter recebido as denúncias de ameaças à vereadora e a Willian da Rocinha. Segundo a pasta, as denúncias somaram-se às dezenas de outras ameaças proferidas pelo traficante Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha. Todas informações foram checadas e encaminhas à Subsecretaria de Inteligência.

Nas imagens com a suposta negociação do fuzil, aparece também Alexandre Leopoldino Pereira da Silva, que trabalhava na Superintendência de Engenharia e Manutenção da Casa Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Ele já se apresentou à polícia e foi exonerado do cargo.

    Leia tudo sobre: rocinhawilliam de oliveirafuzil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG