Turismo não será afetado por invasão, avalia presidente da Riotur

De acordo com líderes da área de turismo, ocorrido foi um fato isolado

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro

André Durão
O vice-governador, Luiz Fernando Pezão, entre o gerente do Intercontinental, Michel Cherton, e o presidente da Confederação Nacional do Turismo, Michel Ness
O presidente da Riotur, Antonio Pedro Figueira de Mello, disse nesta segunda-feira (23) que a invasão de traficantes fortemente armados a um hotel do Rio não irá afetar a imagem da cidade. Segundo ele, o ocorrido não coloca em risco o turismo local e, consequentemente, a realização dos grandes eventos esportivos que a capital fluminense irá sediar, como a final da Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

“Em Londres também aconteceu um problema quando a cidade foi escolhida para sediar as Olimpíadas. Isso faz parte da realidade de uma grande cidade e o importante é combater”, relembrou, citando o ataque no metrô de Londres, em julho de 2005, que deixou quase 40 mortos e cerca de 700 feridos.

No último sábado (21), dez traficantes da favela da Rocinha armados com fuzis – que estavam fugindo de uma perseguição policial – invadiram o Hotel Intercontinental, em São Conrado, zona sul da capital fluminense. Trinta e cinco pessoas foram mantidas na cozinha como reféns, sendo 30 funcionários e cinco hóspedes estrangeiros. Soldados do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) cercaram o edifício, liberaram os reféns e prenderam os criminosos.

“Foi um incidente. Os bandidos estavam fugindo e para se esconder, acabaram entrando no hotel”, disse Antonio Pedro, durante um almoço promovido por associações de turismo e pelo Clube do Feijão Amigo, no Intercontinental.

Para o presidente da Confederação Nacional do Turismo, Michel Ness, casos de violência acontecem em todos os lugares. “Eles [traficantes] não vieram assaltar os turistas. O que aconteceu aqui foi passageiro. Eu mesmo já fui assaltado nas ruas de Milão e no metrô de Paris”, contou. “Isso acontece no mundo inteiro. Digo com conhecimento de causa porque conheço mais de 40 países”.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio (ABIH-RJ), Alfredo Lopes, a invasão feita por traficantes não deverá influenciar no volume de turistas recebido pelo Rio. “O episódio não pode ser levado em consideração como um fato que irá levar por terra ou denegrir toda a política de segurança que vem sendo adotada”, avaliou. “Alguns turistas que estavam aqui ficaram assustados e foram embora mais cedo, mas basta eles darem uma volta pela cidade para perceberem que foi um fato totalmente isolado”, opinou.

André Durão
Policiamento reforçado na porta do Hotel Intercontinental nesta segunda-feira

    Leia tudo sobre: violênciahotelintercontinentaltraficantesrocinha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG