Trinta pessoas são detidas suspeitas de crime ambiental no Rio

Grupo atuava em depósitos clandestinos de lixo na Baixada Fluminense onde era realizada a queima de material eletrônico

iG Rio de Janeiro |

Trinta pessoas foram detidas e 30 galpões de reciclagem foram interditados e multados por falta de licença ambiental nesta terça-feira (11) durante uma megaoperação deflagrada pela Secretaria Estadual do Ambiente e pelas polícias Federal, Militar e Civil em Jardim Gramacho, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Uma fábrica clandestina de carvão também foi destruída.

Relembre: PF detém 40 pessoas por extração mineral irregular no Rio

Os policiais encontraram depósitos clandestinos de lixo, onde era realizada queima de material eletrônico, além de produtos perigosos armazenados de forma inadequada.

Durante a operação, a equipe flagrou uma fábrica clandestina de carvão que funcionava em Área de Proteção Permanente (APP), próxima ao aterro controlado de Gramacho. No local, havia cinco fornos para a produção de carvão, sendo que um deles estava em pleno funcionamento quando a polícia chegou.

De acordo com o chefe da Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca) da Secretaria do Ambiente, José Maurício Padrone, a madeira utilizada para a produção do carvão era extraída da área de preservação. Padrone disse ainda que cada forno tinha capacidade para armazenar 300 kg de madeira.

“A quantidade de carvão produzida é tanta que dá para encher pelo menos 100 sacos, com três kg de carvão. O consumidor deve ficar atento às informações que constam da embalagem, como CNPJ e endereço. Assim ele consegue saber a procedência do carvão que ele está comprando”, explicou Padrone.

Parceria

O delegado de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal, Fábio Scliar, destacou a importância da operação ter sido realizada em parceria com outros órgãos e afirmou que vai intensificar ações para coibir crimes ambientais.

“Nós inspecionamos 40 pontos aqui em Jardim Gramacho e encontramos diversas irregularidades. Os responsáveis vão responder, entre outros crimes, pela infração da Lei 9.605/98, especialmente dos seus artigos 54 e 60, além de receberem multas administrativas. Vamos intensificar operações desse tipo e apertar o cerco aos que cometem crimes ambientais”, afirmou o delegado. A Lei 9.605/98 prevê multa e detenção, de até 4 anos, para quem causar poluição de qualquer natureza e construir ou fizer funcionar serviços potencialmente poluidores sem licença ambiental.

A Secretaria de Estado do Ambiente tem realizado diversas operações de fiscalização nesta localidade. No ano passado, a pasta instalou uma cerca de aproximadamente 8 km de extensão e construiu uma contenção para impedir que caminhões de lixo extraordinário acessem o lado direito de Gramacho. Mas, segundo Padrone, a Cicca tem recebido denúncias sobre o despejo irregular de resíduo do lado esquerdo do bairro. O local será alvo de nova operação.

    Leia tudo sobre: crime ambientalBaixada Fluminense

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG