Tiroteio no Complexo do Alemão já deixa oito feridos e um morto

Troca de tiros continua durante à noite; moradores não conseguem voltar para casa devido a tiroteios

iG Rio de Janeiro |

A troca de tiros entre militares do Exército, além de agentes das polícias militar, civil e federal com supostos traficantes do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, já deixou oito pessoas feridas e uma morta, nesta sexta-feira (26), incluindo uma criança; um fotógrafo e militares.

A moradora do Complexo do Alemão, Maria Luiza de Moraes, de 61 anos, que estava em casa na localidade da Grota, foi ferida por estilhaços de uma bala perdida na barriga. Ela já foi operada e passa bem.

Geovana Isabela da Penha, de apenas 3 anos, também foi baleada, de raspão no braço, enquanto estava dentro de casa na favela Nova Brasília, que também pertence ao Complexo do Alemão.

A também moradora do Complexo, Eliane de Almeida, de 72 anos, foi baleada na panturrilha e já foi liberada. Outro baleado foi Rogério da Costa Cavalcante, de 34 anos, baleado na barriga.

Thiago Ferreira Farias, de 24 anos, apontado pela polícia como o traficante “Thiaguinho G3”, e que seria gerente do tráfico da favela Fazendinha, do Complexo, morreu em confronto com policiais militares.

Entre os policiais, dois ficaram feridos levemente. O soldado do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) Leonardo Rodrigues da Silva, de 36 anos, teve um corte em um dos dedos da mão e foi liberado, após ser atendido.

Já o tenente Rafael Querido, de 28 anos, do 16°BPM (Olaria), foi atingido por um tiro de raspão na panturrilha esquerda e está sob observação.

O soldado do exército Walbert Rocha da Silva, de 19 anos, foi baleado de raspão na perna e conduzido ao hospital Central do Exército, em Benfica. Durante a manhã, um major da PM foi atingido por estilhaços na cabeça.

Todos foram socorridos no hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha.

À noite, o fotógrafo da agência de notícias Reuters, Paulo Whitaker, foi baleado no ombro e socorrido para um hospital particular, na zona norte. Seu estado de saúde é estável.

Clima é tenso no Complexo do Alemão

No início da noite desta sexta-feira (26), o clima ficou tenso nos acessos ao morro do Alemão, na zona norte da cidade. O ponto mais problemático é na localidade conhecida como favela da Grota,  devido à troca de tiros entre militares e traficantes. Vários moradores não conseguiram voltar para casa.
Policiasi federais também estão no local reforçando a operação. A avenida Itaoca, uma da principais do bairro, está completamente deserta no início desta noite.

(Flávia Salme e Bruna Fantti, iG Rio de Janeiro)

    Leia tudo sobre: feridoscomplexo do alemãotiroteio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG