Tiroteio e balas traçantes assustam moradores do Alemão nesta noite

Criminosos de morro não ocupado pelo Exército fizeram disparos e houve reação. Bombas caseiras foram arremessadas. Via foi fechada

iG Rio de Janeiro |

Pablo Jacob/Agência O Globo
Balas traçantes assustam moradores do Complexo do Alemão esta noite
Um intenso tiroteio, inclusive com balas traçantes, assusta moradores na noite desta terça-feira (6) no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada por integrantes do Batallhão de Campanha da Polícia Militar. Uma pessoa ficou ferida por estilhaços de bomba.

Segundo a unidade, os tiros começaram a ser disparados por criminosos localizados no morro da Baiana, que fica em frente ao Alemão. Essa comunidade, de acordo com a PM, não está ocupada pela Força de Pacificação do Exército. Em razão dos disparos, PMs e os militares reagiram.

O Batalhão de Campanha informou ainda que dois artefatos de fabricação caseira foram arremessados contra viaturas do Exército. Por motivos de segurança, a estrada do Itararé, principal acesso ao Alemão, foi fechada. O Exército ainda não se manifestou oficialmente sobre o confronto.

É o terceiro dia consecutivo de confusão no Complexo do Alemão. Hoje, o Exército divulgou imagens em que traficantes supostamente vendiam drogas na favela Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, vizinho ao Alemão.

Ontem, os moradores fizeram um protesto. Madeiras em chamas foram colocadas na Avenida Itaóca, impedindo o tráfego de veículos por cerca de 40 minutos. Horas depois, cerca de 30 mototaxistas realizaram outro manifesto na região. Eles reclamavam do rigor na cobrança de documentação e realizaram manobras na pista. Militares da Força de Pacificação dispersaram os integrantes do protesto.

No último domingo (4), um tumulto entre a tropa e os moradores no Complexo do Alemão terminou com três pessoas detidas por desacato e pelo menos outras três feridas.

O Exército ocupou os complexos do Alemão e da Penha em novembro após os traficantes realizarem uma série de ataques com queimas de ônibus e veículos na região metropolitana. Na semana passada, a Secretaria de Segurança anunciou que as tropas deverão permanecer nas comunidades ao menos até junho.

Pablo Jacob/Agência O Globo
Militares do Exército reagiram aos disparos feitos por traficantes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG