Suspeita de torturar crianças autistas é presa pela 2ª vez

Testemunhas relataram à polícia que falsa psicóloga amarrava crianças para alimentá-los à força

iG Rio de Janeiro |

Agência O Globo
Falsa psicóloga, presa pela 2ª vez no Rio, suspeita de torturar crianças autistas
A f alsa psicóloga Beatriz Coelho Cunha , 32 anos, suspeita de agredir crianças autistas que atendia, foi presa pela segunda vez neste sábado e indiciada por tortura.

Beatriz tinha um instituto em Botafogo, supostamente especializado no tratamento de crianças com autismo.

Ela tinha sido presa em flagrante, por falsidade ideológica, mas foi solta. Testemunhas disseram à Polícia Civil que Beatriz amarrava os braços e pernas das crianças para alimentá-las à força.

Com a nova suspeita de tortura, o delegado Maurício de Almeida pediu sua prisão temporária à Justiça e foi atendido.

Ela estava em casa, na Barra da Tijuca (zona oeste do Rio), e foi presa por agentes da Delegacia do Consumidor, que cumpriram mandado de prisão temporária.

Embora não tenha formação superior, Beatriz criou o Centro de Análise do Comportamento , que funcionava sem alvará.

A Vigilância Sanitária fechou o local, que era gerenciado pelo marido da falsa psicóloga, Nelson Farias Júnior, também indiciado.

Beatriz foi indiciada por tortura, estelionato, propaganda enganosa e exercício ilegal da profissão.

    Leia tudo sobre: falsa psicologario

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG