STF não extraditou em 2006 israelense preso pela PF

Integrante da família Abergil, investigada no exterior por crimes, foi detido em 2006, mas autorizado a ficar no Brasil

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

O israelense preso nesta sexta-feira (7) durante uma megaoperação da Polícia Federal contra contrabando e lavagem de dinheiro foi preso em 2006, mas não foi extraditado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Reprodução
O israelense Yoram El Al é acusado de crimes internacionais e lavagem de dinheiro
De acordo com o superintendente da PF no Rio, delegado Valmir Lemos de Oliveira, o integrante da máfia da família Abergil – identificado como Yoram El Al – teve pedido de extradição feito, mas não autorizado pelo Supremo, que não vislumbrou as "condições legais" para a operação.

Leia também: PF desarticula quadrilha de bicheiros com máfia israelense

A PF não soube informar qual país pediu a extradição do suposto criminoso. O israelense foi solto e autorizado a permanecer no País, desde que passasse a ter “atividade econômica”.

A família Abergil é investigada nos Estados Unidos e na Europa sob suspeita de contrabando e tráfico de pessoas para prostituição, entre outros crimes.

Há cerca de dois anos, a PF – alertada por órgãos de inteligência estrangeiros – passou a acompanhar as atividades do israelense. Chamou a atenção dos agentes o fato dele demonstrar alto poder aquisitivo sem ter trabalho aparente.

Ao longo de investigação, ficou constatada sua ligação com a família Escafura, que domina o jogo do bicho e as máquinas de caça-níqueis em parte da zona norte do Rio. A Haylton Scafura, filho do contraventor conhecido como “Piruinha”, interessava lavar dinheiro ilegal, segundo a PF.

Assim, por meio dos contatos internacionais da família Abergil, começou o negócio de contrabando de carros importados destinado a lavar o dinheiro do jogo do bicho.

    Leia tudo sobre: máfia israelensejogo do bichoextradiçãostf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG