Sistema de telefonia é restabelecido na região serrana

Telefonia móvel está operante desde ontem e serviço fixo já atende 70% dos clientes. A normalizacão total do serviço está condicionado à recuperação da infraestrutura local

iG Rio de Janeiro |

Concessionária de telefonia fixa na região serrana do Rio de Janeiro, atingida pelos temporais da madrugada do dia 12, a Oi informa que 70% dos clientes das cidades afetadas estão com os serviços em funcionamento e que 200 profissionais da companhia estão trabalhando dia e noite na área desde que os problemas foram detectados, ainda na madrugada do dia 12.

“A Oi esclarece que o restabelecimento total dos serviços de telecomunicações nas localidades mais afetadas pelas enchentes está condicionado à recuperação da infraestrutura local para que suas equipes possam acessar as áreas ainda impactadas. Nas regiões mais devastadas, a companhia depende da liberação de ruas e vias de acesso, assim como da recuperação e até mesmo reconstrução de estradas e edificações da região.”

Na nota de posicionamento, a empresa informa que “as equipes técnicas da companhia reestabeleceram o sistema de telefonia móvel em toda a região desde ontem (13 de janeiro)”.

A Oi, controladora do iG, também informa que liberará gratuitamente os orelhões a partir de domingo, disponibilizará 35 mil aparelhos para acesso emergencial provisório para clientes que estão sem acesso à comunicação, e montará uma lan house em Nova Friburgo e outra em Teresópolis.

Leia abaixo a íntegra da nota da Oi.

“A Oi informa que, para assegurar o acesso à comunicação na Região Serrana, mantém 200 profissionais da companhia trabalhando dia e noite desde a madrugada de quarta-feira (12.01.2010), quando ocorreram as fortes chuvas que devastaram as localidades, provocando estado de calamidade pública.

Telefonia móvel restabelecida - As equipes técnicas da companhia restabeleceram o sistema de telefonia móvel em toda a região desde ontem (13 de janeiro) pela manhã, assegurando o tráfego de voz móvel. A companhia também está mantendo contato com as outras operadoras que prestam serviço de telefonia móvel na Região para garantir o atendimento à população. Autoridades e equipes técnicas que estão atuando na operação de resgate e socorro à Região, inclusive da Defesa Civil e do Exército, também estão podendo utilizar o serviço móvel da Oi desde ontem.

Telefonia fixa - Com relação à telefonia fixa, o sistema está restabelecido, e 70% dos clientes estão com os serviços em funcionamento. O restante está com funcionamento impactado em decorrência dos danos causados pela enchente, havendo casos onde não há mais edificações porque foram soterradas ou arrastadas pela enxurrada, principalmente nas áreas mais afetadas pela devastação decorrente das chuvas.

Novas medidas emergenciais - A Oi informa que já adotou medidas emergenciais para minimizar os impactos causados pela destruição decorrente das fortes chuvas e que atingem a população da Região Serrana do Rio. A companhia entregou ao Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, as medidas emergenciais que estruturou e também seu plano emergencial, que está sendo implementado desde as primeiras horas da calamidade.

- A empresa disponibilizará 35 mil aparelhos para acesso emergencial provisório para os clientes que estão sem acesso à comunicação.

- Os terminais públicos localizados nas áreas mais afetadas pelos alagamentos serão liberados para uso gratuito dos moradores, assim como os terminais instalados em locais como escolas, prefeituras, hospitais e outros órgãos públicos. Por necessidade de programação de sistema, os orelhões estarão com serviço gratuito liberado a partir deste domingo (16 de janeiro).

- Como medida alternativa para a prestação do serviço de banda larga para a população, está sendo montada uma lan house em Nova Friburgo e uma outra em Teresópolis para que os moradores possam ter acesso gratuito à internet. As duas lan houses estarão equipadas também com telefones para comunicação de voz.

Essas ações têm como objetivo restabelecer a comunicação da população de áreas mais afetadas pelos alagamentos e desmoronamentos e que, em função das restrições de deslocamento decorrentes da devastação, ainda não possuem os serviços em funcionamento. Técnicos da empresa ainda enfrentam dificuldades para efetuar reparos em áreas isoladas pelos deslizamentos e interditados pela Defesa Civil. Os locais de distribuição de telefones emergenciais e instalação de lan houses já estão definidos, porém só serão divulgados pela companhia amanhã (15 de janeiro), juntamente com a data de início da operação e os horários de atendimento.

A Oi esclarece que o restabelecimento total dos serviços de telecomunicações nas localidades mais afetadas pelas enchentes está condicionado à recuperação da infraestrutura local para que suas equipes possam acessar as áreas ainda impactadas. Nas regiões mais devastadas, a companhia depende da liberação de ruas e vias de acesso, assim como da recuperação e até mesmo reconstrução de estradas e edificações da região.

Situação em localidades de Teresópolis e Petrópolis – Nos centros urbanos de Teresópolis e Petrópolis, assim como no de Itaipava, a rede da companhia está normalizada, podendo ser afetada pontualmente em decorrência de alagamentos, rompimentos de cabos telefônicos e falta de energia elétrica, principalmente em áreas periféricas dessas localidades. São José do Vale do Rio Preto e as localidades de Itaipava (Petrópolis) e Alberto Torres (Areal) ainda podem ter os serviços impactados devido às restrições de acesso para execução de reparos. Em Teresópolis, localidades como Bonsucesso, Pessegueiro e Posse do Imbuí são as mais afetadas.

Nova Friburgo - Em Nova Friburgo, onde os serviços da companhia foram mais impactados pelos alagamentos e desmoronamentos, as áreas centrais da cidade e os serviços de emergência, como Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, estão com o sistema de telecomunicações normalizados, incluindo o de telefonia móvel, e 54% dos clientes estão com os serviços de telefonia fixa funcionando. O restante está com funcionamento impactado em decorrência dos danos causados pela enchente, havendo casos onde não há mais edificações porque foram soterradas ou arrastadas pela enxurrada principalmente nas áreas mais afetadas pela devastação decorrente das chuvas. As dificuldades de deslocamento nas áreas periféricas mais impactadas pelas chuvas, como Conselheiro Paulino, e localidades interditadas pela Defesa Civil, impõem mais restrições ao trabalho das equipes técnicas da empresa em Nova Friburgo.

Oi mobiliza doações para vítimas das chuvas na Região Serrana - A Oi também abriu uma frente de mobilização de solidariedade de seus funcionários para ajudarem as vítimas da tragédia na Região Serrana. A empresa organizou um sistema de vans para levar os colaboradores do Rio que desejam doar sangue até a sede do Hemorio, no Centro. Em sete prédios da empresa na cidade, há postos de coletas de donativos dos colaboradores. Para doações de grande volume, a Oi oferecerá gratuitamente um serviço de recolhimento dos itens doados. A Oi também divulgou internamente todos os postos públicos de coleta de alimentos não perecíveis, água mineral e produtos de higiene, próximos aos prédios e sede da companhia.”

Claro

Outras empresas que prestam serviços de telefonia móvel na região tiveram seus serviços afetados. Em comunicado à imprensa, a Claro informou que “parte dos assinantes de Nova Friburgo e Teresópolis está com dificuldades para originar e receber chamadas” desde a madrugada de 12 de janeiro. “O problema decorre da falta de energia e da dificuldade de acesso a diversos pontos dessas cidades em razão dos alagamentos e desabamentos. A Claro está trabalhando para restabelecer os seus serviços o mais rápido possível e pede desculpas pelo transtorno causado aos clientes”.

Vivo

Já a Vivo afirmou em nota que na sexta (14) houve “melhora significativa na prestação do serviço nos municípios atingidos, com a instalação de geradores em estações estratégicas”. Segundo a empresa, “a operadora transportou para Nova Friburgo equipes de técnicos especializados em infraestrutura de rede, sistemas de transmissão de dados e cobertura wireless, com objetivo de dar o suporte necessário para o restabelecimento do dos serviços”.

A situação, na tarde de sexta-feira 14, era a seguinte, segundo a empresa. “Em Teresópolis, a Vivo saiu de uma disponibilidade de 40% para 73%. As falhas se resumem às áreas onde as vias estão interditadas e a rede elétrica foi totalmente destruída (região de fronteira entre Friburgo e Teresópolis); em Nova Friburgo a empresa aumentou sua capacidade de sinal de 13% para 52%, recuperando, primeiramente, antenas nas regiões onde o interesse de tráfego é maior”.

“A Vivo chegou a ter oito municípios totalmente fora de serviço. No momento, três estão inacessíveis. Mesmo assim, ações para recuperar a conexão nessas localidades são realizadas via helicóptero”.

    Leia tudo sobre: Chuvasregião serranatelefoniacelular

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG