Secretaria exonera diretor de hospital que se recusou a atender jovem no Rio

Rapaz de 21 anos que caiu de uma altura de cinco metros percorreu cinco unidades em sete horas até ser atendido. Estado é grave

iG Rio de Janeiro |

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro anunciou nesta quarta-feira (21) a exoneração do diretor do Hospital Getúlio Vargas, na Penha, na zona norte da capital, Luiz Sérgio Verbecaro, em razão de a unidade não ter atendido Gabriel Paulino dos Santos de Sales, de 21 anos.

O rapaz caiu de uma altura de cerca de cinco metros enquanto consertava uma antena de internet na última segunda-feira (19), na Baixada Fluminense. Segundo familiares, ele bateu com a cabeça.

Gabriel percorreu cinco hospitais por cerca de sete horas até conseguir ser atendido no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, na zona norte da capital, onde permanece em estado grave.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o jovem  sofreu traumatismo craniano e fraturas em várias partes do corpo. Foi operado hoje e está no CTI da unidade. Encontra-se em coma induzido e respira com ajuda de aparelhos.

A pasta também exonerou o chefe de equipe de plantão do Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, na Baixada Fluminense, Jocelyn Santos de Oliveira, que também não atendeu o rapaz.

A pedido do secretário Sérgio Côrtes, foi instalada sindicância para apurar o atendimento a Gabriel e as informações preliminares indicam divergências de relatos sobre a conduta das equipes das duas unidades estaduais, ainda que a regulação do paciente não tenha sido feita pelo Samu (Serviço Móvel de Atendimento de Urgência) da Baixada, responsável por Duque de Caxias e região, como determina o protocolo do Ministério da Saúde (no. 2048/2002) para os casos de urgência e emergência.

Saga

Após sofrer o acidente, Gabriel foi levado para o posto de saúde de Xerém. De lá, seguiu para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna.

Como não foi atendido, levaram a vítima para o Hospital Estadual Getúlio Vargas. A entrada do paciente não teria sido aceita e, de lá, ele foi levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro da capital fluminense.

Novamente rejeitado, segundo parentes, Gabriel foi encaminhado para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, zona norte da capital. Ele teria feito exames na unidade, mas seguiu para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, onde finalmente foi internado.

Sobre a recusa do atendimento no Souza Aguiar, a Secretaria Municipal de Saúde explicou que a unidade estava com o serviço de neurocirurgia atendendo a três casos graves, sendo dois de acidente vascular cerebral hemorrágico e um baleado.

Ainda segundo a secretaria, não consta no sistema de regulação qualquer solicitação de internação para o rapaz. "Apesar de não ter havido contato prévio, conforme estabelecido em protocolos, a Prefeitura do Rio, por meio do Hospital Municipal Salgado Filho, acolheu e está tratando do paciente", informa o comunicado.

De acordo com a nota, um paciente só pode ser transferido sob orientação da central de regulação. Fora destas condições, há o risco de não ter lugar para a vítima.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG