"Roubaram o cordão de ouro e o celular dela", diz irmã de vítima

Irmã de Samira Ribeiro, de 13 anos, morta na chacina da escola municipal de Realengo, disse que os pertences da menina desapareceram

Priscila Bessa, iG Rio de Janeiro |

Na manhã desta terça-feira (12), o iG esteve na casa da família de Samira Ribeiro, de 13 anos, morta na chacina da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio. Irmã de Samira, Priscila Pires, de 24 anos, contou que havia acabado de voltar da escola onde buscou o material escolar da menina e os bens de valor da estudante foram furtados (o furto consiste numa figura de crime prevista no Código Penal Brasileiro que implica na subtração de coisa alheia móvel para si ou para outrem).

“Parece que ela foi uma das primeiras a ser alvejada com um tiro na testa. Então o material não estava sujo de sangue. Mas roubaram o celular e o cordãozinho de ouro que estava usando”, disse Priscila, que tentou localizar os demais pertences em vão.

“Não queremos pelo valor, mas pela recordação. Não sei se sumiu na escola ou no IML. O fato é que não nos devolveram”, contou ela. Visivelmente emocionada, Priscila falou sobre a tragédia. “Ficamos pouco em casa e evitamos dar entrevistas porque é um momento muito difícil. Mas só consigo pensar que, se o portão da escola estivesse fechado, tudo seria diferente. O que tenho a dizer às pessoas que estão acompanhando tudo isso é que não perca seu filho. Não deixe o portão aberto”, comentou ela, que havia matriculado a irmã na escola há dois meses.

    Leia tudo sobre: massacre escolarealengo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG