Rio terá centro de operações para gerenciar emergências

Na sala de controle, o monitoramento será feito ininterruptamente em um telão de 80 metros quadrados, o maior da América Latina

AE |

O Rio de Janeiro passa a contar, a partir de sexta-feira, com um moderno centro de operações que vai integrar 30 órgãos municipais e concessionárias para gerenciar tanto as emergências, como enchentes e acidentes de trânsito, quanto grandes eventos programados na cidade, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Na sala de controle, o monitoramento será feito ininterruptamente em um telão de 80 metros quadrados, o maior da América Latina.

"O centro vai nos permitir ter alguém olhando para a cidade 24 horas por dia. Esse é o objetivo principal. Muitas dessas tecnologias já estão disponíveis. O que estamos fazendo aqui, que é fundamental, é integrar essas coisas", disse o prefeito Eduardo Paes (PMDB), nesta segunda-feira (27), durante visita ao local. A inauguração do centro acontecerá na sexta-feira e terá a presença do presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge.

O edifício de três andares na Cidade Nova, próximo à prefeitura, estará conectado a mais de cem câmeras espalhadas pelo Rio. Com isso, os 70 controladores que operam no local poderão contatar imediatamente os agentes responsáveis por solucionar problemas que afetam a cidade. Por exemplo, se faltar energia em um bairro do Rio, a Light repassará a informação ao Centro de Operações, que enviará o recado diretamente a órgãos como o CET-Rio, para destacar agentes de trânsito às regiões sem semáforos. Também poderá ser acionada a Secretaria de Educação, para cuidar das escolas e creches, ou qualquer outro órgão responsável pelo bom funcionamento urbano.

A decisão de construir o prédio foi tomada depois das fortes chuvas de abril, que pararam a cidade. Por isso, uma das principais aquisições do centro é um sistema que poderá prever chuvas fortes com 48 horas de antecedência. O Pmar (Previsão de Meteorologia de Alta Resolução) ficará pronto no fim do primeiro semestre de 2011.

    Leia tudo sobre: Rio de Janeiroolimpíadaviolênciasegurança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG