Rio quer transferir 8 presos suspeitos de envolvimento em ataques

Segundo Secretaria de Segurança, quatro homens detidos nesta terça afirmaram que recado chegou para a Vila Cruzeiro

iG Rio de Janeiro |

O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, pediu nesta terça-feira a transferência de oito presos para presídios federais, fora do Estado. Em entrevista, Beltrame afirmou que um conjunto de informações da polícia indica que a onda de ataques foi ordem de traficantes presos, transmitida por meio de advogados e de visitas íntimas na cadeia.

Os nomes dos presos cuja transferência foi solicitada não foram revelados, porque a secretaria quer ter antes a garantia da autorização da Justiça. Eles são a prioridade de uma lista de 13 criminosos que o Rio pretende tirar das cadeias estaduais.

De acordo com Beltrame, os ataques não teriam acontecido sem a anuência desses oito presos, por sua influência no crime. “Eles fazem parte de facções importantes, e ações dessa natureza não aconteceriam sem a aquiescência desses líderes”, disse ele.

“Temos um conjunto de informações que levam à análise de que é isso que está acontecendo [ordens vindas da cadeia]. Não se tem a informação totalmente completa”, admitiu Beltrame. Mas ele trabalha com a possibilidade de os ataques estarem sendo orquestrados de presídios no Rio e de penitenciárias federais em outros Estados.

Segundo o secretário de Segurança, quatro homens presos hoje em Copacabana também corroboraram a tese e afirmaram que a ordem dos ataques veio de presídios por meio da Vila Cruzeiro (Complexo da Penha). Para Beltrame, a onda de violência se deve ao sucesso do modelo das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) implantado pelo atual governo, reeleito.

Uma série de ataques a veículos ocorre desde o último domingo (21) no Rio de Janeiro. Até as 11h30 de hoje (23), 19 automóveis já foram atingidos, nove incendiados, nove roubados e um, pertencente à Aeronáutica, atacado a tiros. Na maioria das ações, os criminosos rendem motoristas e ocupantes e roubam seus objetos pessoais.

‘Quem atravessar o caminho será atropelado’, diz Beltrame

Na entrevista, José Mariano Beltrame prometeu uma resposta dura das forças de segurança do Estado e descartou eventual ajuda da Força Nacional de Segurança. A seu pedido, porém, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) vai reforçar o patrulhamento das rodovias sob sua atribuição no Estado.

“Quem atravessar o caminho do que está sendo proposto será atropelado. Se essas pessoas apostaram que após o pleito isso ia mudar, que após a virada de ano isso ia mudar, estão enganadas. O programa [UPPs] vai até o fim, e se não for o Rio dificilmente terá resultados concretos a médio e longo prazo.”

O secretário declarou que o Estado vaio reagir com "força dobrada" caso ações do gênero continuem. “Esses grupos criminosos estão instalados há 20, 30 anos, ou mais, e talvez não queiram desistir de suas ações de uma hora para a outra. Quem perde reclama e pode apostar na desistência deste Estado. Nós dobramos a aposta. Se as ações continuarem, vamos com força dobrada, para onde isso tem acontecido e onde estão essas pessoas. Quanto mais provocarem nossas propostas, mais força terão nossas ações."

De acordo com Beltrame, não é possível garantir que não haverá mais ataques.

Operações em favelas têm dois mortos e cinco presos

As polícias Militar e Civil fizeram operações com 450 homens e 140 viaturas, em 16 favelas nesta terça-feira, como reação aos ataques de criminosos a carros pelas vias da cidade.

No total das ações policiais desta terça, houve dois mortos e cinco presos. Os agentes apreenderam um fuzil AK-47, uma pistola, um revólver, 50 motos.

Foram apreendidos 50 kg de maconha, 2.287 sacolés de cocaína, 4 litros de gasolina e 1 garrafa de coquetel molotov.

Tem mais informações sobre os ataques no Rio? Envie fotos, vídeos e relatos para o Minha Notícia

    Leia tudo sobre: ataquesRioBeltramecadeiaordem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG