Manifestação ocorreu neste domigo (9) na Praia de Copacabana, zona sul da cidade

Milhares de pessoas participam da 16ª Parada do Orgulho LGBT
Agência Estado
Milhares de pessoas participam da 16ª Parada do Orgulho LGBT
Quinze trios elétricos animaram os participantes da 16ª Parada do Orgulho LGBT (sigla para lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis) que ocorreu neste deste domingo (9), na Praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro. Este ano o público aproveita a passeata para fazer um apelo: pedir um combate mais efetivo à violência contra os homossexuais. Os organizadores pediram que os participantes se vestissem de branco, como forma de protesto.

Segundo Julio Moreira, presidente do Grupo Arco-Íris, organização não governamental que promoveu a parada, o tema deste ano - Somos Todos Iguais perante a Paz: Toda Forma de Violência Deve Ser Crime - tem por objetivo pressionar o Congresso Nacional a aprovar leis contra a homofobia.

“O Congresso Nacional até hoje não aprovou nenhuma lei que torne crime a homofobia, como existe uma lei que pune o racismo. É uma questão crucial essa lei ser aprovada, tendo em vista que, a cada dois dias, um homossexual é assassinado no Brasil e o índice de assassinatos vem aumentando anualmente”, disse.

O analista financeiro Geraldo Furtuoso veio de São Paulo especialmente para a parada carioca. Segundo ele, é a terceira vez que participa da passeata. “Tem que haver medidas muito severas quanto a isso. Em São Paulo, a cada 15 dias, há um crime de homofobia. Se não criarem uma lei que puna o agressor, ele vai continuar fazendo isso. É um absurdo”.

Apesar do calor participantes demonstram empolgação na passeata
Agência Estado
Apesar do calor participantes demonstram empolgação na passeata
Elizabeth Procópio participa da parada LGBT há sete anos. “Eu participo mais para apoiar, para ajudar a combater a homofobia, a violência contra os homossexuais. Tenho familiares e amigos que são gays. Acho interessante a sociedade se reunir e participar. Acho que, no século 21, não cabe mais preconceito”, disse.

Além dos trios elétricos o evento conta com tendas onde estão sendo distribuídos preservativos e materiais informativos sobre cidadania e doenças sexualmente transmissíveis.

O Núcleo de Defesa da Diversidade Sexual e Direitos Homoafetivos da Defensoria Pública do estado também colocou à disposição dos participantes um ônibus para emitir segunda via de documento de identidade e prestar orientação jurídica. 350 guardas municipais e 450 policiais militares deverão participar do esquema de segurança, junto com 380 seguranças privados cotratados pelo Grupo Arco-Íris.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.