Sexto corpo é encontrado entre escombros de prédios no Rio

Defesa Civil encontrou outro corpo por volta das 3h da madrugada desta sexta-feira (27); buscas por mais vítimas continuam

Victor Corrêa, iG Rio de Janeiro |

iG Rio de Janeiro
Bombeiros carregam o sexto corpo resgatado entre os escombros

Subiu para seis o número de corpos encontrados nesta quinta-feira (26) entre os escombros dos três prédios que desabaram no centro do Rio de Janeiro . O sexto corpo é de uma mulher e foi encontrado por volta das 3h, enquanto o anterior, também de uma mulher, foi retirado às 23h. O número de desaparecidos passa a ser de 20 pessoas.

Um novo corpo também foi identificado no IML (Instituto Médico Legal) como Margarida Vieira de Carvalho, de 73 anos, era esposa do zelador do prédio de 20 andares, Cornélio Ribeiro Lopes - também entre as vítimas. No total, foram encontrados três corpos de mulheres e três de homens - sendo quatro deles já identificados. O primeiro é de Cornélio Ribeiro Lopes, de 73 anos, que era zelador de um dos prédios que caiu. O segundo é de Celso Renato Cabral Filho, de 44 anos, administrador de empresas.

Veja também:
- Décimo sexto andar de prédio que desabou estaria em obras
- Simulação de desabamento dos prédios no Rio de Janeiro

À 0h15 desta sexta-feira (27) foram retirados dois caixas eletrônicos sem danos entre os escombros do prédio de 20 andares. Posteriormente, por volta das 2h35, foram localizados mais dois cofres lacrados. No local funcionava uma agência do banco Itaú.

Segundo o coronel Sérgio Simões, secretário de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros, a busca por sobreviventes vai continuar nas próximas 48 horas. Ele afirma ser pouco provável que existam pessoas vivas embaixo dos entulhos .

Flagrante: Veja o desabamento e momento em que poeira atinge câmera

Retirada de pertences 

A advogada Simone Argolo Andres, de 50 anos, disse estar preocupada com seus pertences encontrados sob os escombros de um dos prédios. No dia do desastre, ela deixou o local cinco minutos antes do desabamento e por pouco não ficou entre as vítimas.

Dona do escritório Blatter & Galvão que ocupava o 13º andar, Simone disse que não há informações exatas para onde estão sendo levados seus objetos – entre eles um cofre, 15 computadores e arquivos de clientes. Segundo ela, as primeiras informações foram de que os pertences estariam sendo transportados para o Píer, onde seriam encaminhados para a região de Duque de Caxias.

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, afirmou que os objetos estão sendo levados para um lugar seguro, mas não especificou o local.

De acordo com o major Castro Lima, os pertences serão liberados somente após a perícia que será realizada no Instituto de Criminalística Carlos Éboli.

Leia também: “Amor, depois eu te ligo porque o barulho aqui está estarrecedor”, disse advogado que desapareceu

Buscas por vítimas

De acordo com o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes, 26 famílias procuraram a Secretaria Municipal de Assistência Social para comunicar sobre o sumiço de parentes. O governo do Rio decretou luto oficial de três dias em homenagem às vítimas.

O subsecretário estadual de Defesa Civil, Jessi Andrade, afirmou que ainda tem esperanças de encontrar alguém com vida. "O trabalho de busca continua. Temos esperanças de encontrar pessoas com vida", disse.

Antes e depois: Veja o local onde prédios desabaram no centro do Rio de Janeiro

Problemas estruturais

O prefeito informou que a hipótese de explosão como causa do desmoronamento está praticamente descartada e que o mais provável é que a tragédia tenha sido provocada por problemas estruturais nos edifícios.

Paes disse ainda que já foram retiradas cerca de 15 mil toneladas de entulhos do local, o que representa entre 20% a 30% do total. Cinco prédios da 13 de Maio continuam interditados, segundo ele.

    Leia tudo sobre: desabamento de prédiorio de janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG