Promotoria denuncia bombeiros que invadiram quartel no Rio

Militares são acusados de danificar portões e viaturas da corporação. Denúncia não pede nova prisão

iG Rio de Janeiro | 10/06/2011 20:43

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro denunciou à Justiça na noite desta sexta-feira (10) 429 bombeiros que foram presos por invadirem o Quartel-Central da corporação no último dia 3. Dois PMs que ajudaram no motim também foram acusados.

A denúncia foi feita no mesmo dia em que a Justiça Militar concedeu habeas corpus para os militares presos. A Promotoria, no entanto, não pediu nova prisão dos acusados e esclareceu que o número total de presos é de 429 e não 439 como vem sendo divulgado.

No relatório do Ministério Público, os militares são acusados de causar ferimentos no coronel Waldir Soares, comandante do Batalhão de Choque, quando forçaram o portão principal da unidade para invadí-la..

Os bombeiros são acusados também de danificar os portões de metal que davam acesso ao interior da unidade e a departamentos do quartel, além das portas do refeitório, cozinha, padaria, depósito de laticínios e ambulatório de nutrição.

A denúncia responsabiliza os militares também por danos em 12 viaturas da corporação, sendo duas de emergência e uma de salvamento. O documento da Promotoria indica ainda que os bombeiros esvaziaram os pneus de outros dois carros oficiais.

Líder é responsabilizado

O Ministério Público indica na denúncia de que a entrada dos bombeiros no Quartel-Central foi ostensivamente instigada e orientada pelo cabo da corporação Benevenuto Daciolo dos Santos. Segundo o documento, o militar, usando um carro de som e microfone, orientou onde os manifestantes deveriam se posicionar para destruírem os portões e ingressarem na unidade.

 

 

 

 

 

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG


Ver de novo