Projeto de Cabral para conter greve de PMs é analisada na Alerj

Governador quer antecipar aumentos previstos até 2013 para policiais militares e bombeiros; servidores ameaçam greve para dia 10

iG Rio de Janeiro |

Divulgação
Servidores que ameaçam entrar em greve fizeram uma passeata em Copacabana, no dia 29 de janeiro
Nesta terça-feira (7), deputados da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), vão analisar o projeto enviado pelo governador Sérgio Cabral no dia 1º de fevereiro, que prevê aumento para policiais e bombeiros de 38,81%, a ser pago até 2013. Essa porcentagem representa uma antecipação dos aumentos que deveriam ser concedidos mês a mês para essas categorias.

A medida do governador pretende acabar com a ameaça de greve de grupos da polícia militar e de bombeiros que, a exemplo da paralisação da Polícia Militar do estado da Bahia , prometem suspender as atividades no próximo dia 10.

O movimento usa as redes sociais para se mobilizar por aumento salarial e melhorias no trabalho e, no último dia 29 de janeiro reuniu cerca de 20 mil servidores em uma passeata pela orla de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro.

Leia também : PM de Alagoas ameaça greve

A medida de aumento salarial antecipado, no entanto, parece não ter contido os ânimos. O presidente da Associação de Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (Aspra-RJ), Vanderlei Ribeiro, afirmou que o grupo quer outras mudanças.

"Queremos um piso de R$ 3.500, a exemplo de outros estados. Além disso, o governador somente antecipou os aumentos previstos, e deixou inativos e pensionistas de fora", disse.

Até o próximo dia 9, os integrantes do movimento grevista pretendem se reunir para decidir se entram em greve ou não. Um novo protesto está marcado para o mesmo dia, na praça da Cinelândia, no Centro do Rio.

    Leia tudo sobre: grevepoliciais militaresbombeiros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG