População carente de Mesquita (RJ) recebe toneladas de peixe

Governo federal vem implementando uma série de ações para incentivar o consumo do peixe no País

Agência Brasil |

A Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura, em parceria com os armadores de pesca e comerciantes da Central de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro (Ceasa), distribuiu nesta sexta-feira santa (22) cerca de cinco toneladas de pescado aos moradores da comunidade da Chatuba, no município de Mesquita, na Baixada Fluminense.

Também foram distribuídas cartilhas com dicas de como diminuir o desperdício, escolher o peixe antes de comprar e com informações nutricionais sobre o alimento, além de um livrinho de receitas. O superintendente federal no Rio do Ministério da Pesca e da Agricultura, Jayme Tavares, explicou que o governo federal vem implementando uma série de ações para incentivar o consumo do peixe.

Agência OGlobo
Moradores da comunidade de Chatuba, em Mesquita, na Baixada Fluminense, recebem peixes
“O brasileiro come apenas nove quilos por habitante adulto/ano. A Organização Mundial de Saúde recomenda um consumo de 13 quilos por habitante adulto/ano. O governo quer que esse alimento faça parte da dieta do brasileiro, uma carne mais magra com muita proteína”.

A escolha da comunidade é feita a partir de um cadastro preenchido pelas próprias associações de moradores ou organizações não-governamentais locais que fazem o pedido ao ministério. Ele informou que essa distribuição é feita todos os anos em comunidades onde os moradores normalmente não têm condições de comprar peixe na Semana Santa.

“Há comunidades em que as pessoas não têm poder de compra nem para consumir sardinha a R$ 1. Então montamos uma parceria com os comerciantes e armadores de pesca e assim conseguimos beneficiar algumas dessas pessoas na Semana Santa. Não é nenhum cherne ou namorado, mas é uma sardinha, um parguinho, curvinota”.

Tavares atribui o pouco consumo de peixe pela população à falta de hábito do brasileiro, que culturalmente prefere carne vermelha, e ao alto custo do peixe no Brasil. Segundo ele, o governo federal vem tentando reverter este quadro com a criação dos terminais de pesca e entrepostos para baratear os preços.

Moradora da comunidade de Jacutinga, também em Mesquita, Ana Leila Gonçalvez, presidente da Organização Não-Governamental (ONG) Centro Social Fusão, foi ao local tentar garantir seu peixe da Semana Santa. Ela disse que vai cadastrar a ONG e tem a esperança de que sua comunidade seja a contemplada no ano que vem.

“Somos 20 mil habitantes, todos muito carentes. Nós não temos nada aqui, nem saneamento, nem água potável. A luz é gato. Tem gente aqui que come uma sardinha de vez em quando e olhe lá. Tomara que ano que vem seja nossa vez”.

    Leia tudo sobre: peixesexta-feira santa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG