Polícia vai pedir laudo cadavérico complementar de cineasta morto

Exame preliminar do Instituto Médico Legal aponta morte causada por infarto, segundo a advogada do diretor de cinema

iG Rio de Janeiro |

Reprodução do Facebook
Emiliano foi achado morto na manhã da última terça-feira (12), no Itanhangá
O delegado titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), Fernando Reis, solicitou nesta quinta-feira (14) ao Instituto Médico Legal (IML) um laudo cadavérico complementar dos corpos do diretor e produtor de cinema Emiliano Ribeiro, de 63 anos, e de sua mulher, Karla Hansen, de 43.

Há divergências em relação a causa da morte de Emiliano. De acordo com a advogada do casal, Lúcia Roma, os laudos preliminares do IML entregues aos familiares na liberação dos corpos informam que o cineasta morreu após sofrer um infarto agudo do miocárdio. A Polícia Civil informou, no entanto, que ele sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral).

A empregada do diretor de cinema o encontrou morto na manhã da última terça-feira (12) no apartamento dele, no bairro do Itanhangá, zona oeste do Rio de Janeiro. Ao lado de Emiliano, estava sua mulher em estado inconsciente.

Grávida de dois meses, ela chegou a ser levada por bombeiros para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na zona oeste carioca, mas não resistiu e acabou morrendo a caminho da unidade.

“Tudo leva a crer que os dois morreram em decorrência de causas naturais. De qualquer forma, pedi um laudo complementar e uma necropsia de Emiliano para afastar todas as suspeitas”, disse o delegado ao iG.

Edema pulmonar

Segundo a advogada Lúcia Roma, a morte de Karla foi causada por uma cardiomiopatia e um edema pulmonar. A primeira doença se configura como uma hipertrofia no coração que dificulta a saída do sangue.

“Ela não sabia que tinha esse problema. Os médicos me disseram que o choque da morte de Emiliano pode ter acarretado uma descarga de adrenalina muito grande, levando-a à morte”, disse a advogada, ao iG.

Emiliano Ribeiro dirigiu dois longas-metragens: “As meninas” (1996) e “Condenado à liberdade” (2001). Em 2006, ele atuou como produtor-executivo do filme “Gatão de meia idade”, de Antônio Carlos de Fontoura.

    Leia tudo sobre: morteemiliano ribeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG