Polícia suspeita de uso de carro particular para desova de corpo de Juan

Análise do GPS de viaturas usadas por PMs investigados não indicou que carros oficiais estiveram no local onde corpo foi achado

iG Rio de Janeiro |

Futura Press
Polícia confirmou ontem a morte de Juan Moraes, de 11 anos, que estava desaparecido desde o dia 20
A Polícia Civil do Rio de Janeiro suspeita que um carro particular tenha sido usado para desovar o corpo do menino Juan Moraes, de 11 anos, no rio Botas, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

A morte do garoto foi confirmada ontem (6) quando a polícia informou que o corpo achado no rio Botas na semana passada é mesmo de Juan. Anteriormente, peritos afirmaram que o cadáver seria de uma menina.

Juan sumiu no dia 20 de junho após ter sido supostamente baleado em um confronto entre policiais militares e traficantes na favela Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Quatro PMs que participaram do tiroteio foram afastados do batalhão de Mesquita (20º BPM) e são investigados pela morte do garoto.

A suspeita do uso de carro particular surgiu a partir da análise do GPS de quatro viaturas da Polícia Militar que circulavam pela Danon no dia do desaparecimento. O exame não indicou que os carros oficiais estiveram na local onde o corpo foi encontrado.

Uma perícia feita nas mesmas viaturas que tiveram o GPS analisado encontrou manchas de sangue. O material foi coletado para exame mas o resultado ainda não foi divulgado. A causa da morte de Juan também não foi revelada.

O corpo do menino será enterrado amanhã, às 9h, no cemitério Jardim da Saudade, em Édson Passos, cidade de Mesquita. Às 10h, será feita a reconstituição do crime.

    Leia tudo sobre: caso juanmortePMs

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG