Polícia reconstitui morte de empresário em motel no Rio

Advogado de Verônica diz que cliente pode ter entrado em contradição ao confessar que estrangulou amante

Sabrina Lorenzi, iG Rio de Janeiro |

Hélio Motta
Verônica Verone de Paiva esconde o rosto durante reconstituição de assassinato em motel

A Polícia Civil fez na tarde deste sábado (21) a reconstituição do assassinato do empresário Fábio Gabriel Rodrigues, de 33 anos. Ele foi morto no último dia 14 em um motel no município de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

A jovem Verônica Verone de Paiva, de 18 anos, que confessou ter cometido o crime, esteve na ação vestindo um casaco branco e escondeu o rosto ao ser fotografada. O carro que Fábio utilizou no dia do assassinato foi usado na reconstituição, assim como um saco de areia com o peso semelhante ao do empresário.

Em seu depoimento, Verônica disse que após a morte de Fábio, teria arrastado o corpo dele. A vítima tinha 1,90m de altura e pesava cerca de 100kg. Com o saco de areia, a polícia quis confirmar se a jovem teria condições de arrastar o corpo do empresário. A polícia também realizou uma acareação entre Verônica e funcionários do motel.

A imprensa não teve acesso ao local durante a reconstituição do crime, que durou aproximadamente cinco horas. Durante esse período, no entanto, foi possível observar uma intensa movimentação de policiais. A jovem de 18 anos deixou o motel em uma viatura policial escoltada por outras quatro.

O advogado de Verônica esteve no local durante a acareação e admitiu que sua cliente possa ter entrado em contradição em seu depoimento à polícia. Segundo ele, isso normalmente acontece em casos como esse. A jovem disse em depoimento que estrangulou e matou o amante. Um laudo preliminar, no entanto, indicou que não há marcas no pescoço e nem indícios visíveis de estrangulamento no corpo da vítima.

A irmã de Fábio, Rosemery Barroso também esteve neste sábado em frente ao motel. Ela não pôde acompanhar a reconstituição do crime. Em conversa com a imprensa, Rosemery disse que a morte do irmão pode ter acontecido por ciúmes. De acordo com ela, Verônica teria flagrado o irmão, dias antes do crime, com outra mulher .

Hélio Motta
Verônica é acompanhada por policiais durante a reconstituição da morte em motel
Relembre o caso

O empresário Fábio Gabriel Rodrigues, de 33 anos, foi morto no último dia 14 em um motel no município de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. A principal suspeita do crime, a jovem Verônica Verone Paiva, de 18 anos, que seria amante da vítima, está detida na penitenciária Bangu 7, na zona oeste do Rio.

Ela confessou ter enforcado Fábio com um cinto sob alegação de que ele teria tentado estuprá-la. A Polícia Civil divulgou, no entanto, que o corpo do empresário não tinha marcas visíveis de estrangulamento. O resultado do exame cadavérico, que ainda será divulgado, vai identificar a verdadeira causa da morte. A hipótese de envenenamento não foi descartada.

É investigada também a participação de outra pessoa na morte. Verônica disse ter arrastado o corpo da vítima até a garagem, mas os policiais desconfiam dessa informação porque Fábio tinha 1,90 m de altura e pesava cerca de 100 kg e a jovem não teria condições de carregá-lo.

Hélio Motta
Verônica entra em motel a bordo do veículo do empresário usado no dia do assassinato

    Leia tudo sobre: morte empresáriomotelniterói

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG