Polícia realiza operação contra lavagem de dinheiro no Alemão

Esquema seria comandado por traficante Fernandinho Beira-Mar e se articulava em cinco estados brasileiros

iG Rio de Janeiro |

Na manhã desta quinta-feira (1), cerca de 200 agentes da Polícia Civil realizam a operação "Scriptus" que tem como objetivo prender pessoas envolvidas no processo de lavagem de dinheiro do tráfico no Complexo do Alemão, na zona norte, cumprindo 20 mandados de prisão e 24 de busca e apreensão. A mesma operação está sendo realizada nos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais, onde a quadrilha possuía articulções.

Leia também: Força de Pacificação no Complexo do Alemão completa 1 ano

As investigações foram desencadeadas pelo Núcleo de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (NUCC – LD), com apoio da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) e da Coordenadoria de Inteligência e Informação Policial (CINPOL). 

Manuscritos de Beira-Mar

Durante a ocupação do conjunto de favelas do Alemão e da Penha há cerca de um ano, manuscritos do traficante Luiz Fernando da Costa, o “Fernandinho Beira Mar” foram apreendidos e apontavam o  esquema responsável pela obtenção de grande parte das armas e drogas para a comunidade, além de como era realizada a lavagem de dinheiro.

Segundo as investigações, cerca de dez toneladas de maconha, das 40 apreendidas durante a operação de ocupação, chegaram ao Complexo do Alemão através do esquema montado pelo traficante.

De acordo com o coordenador do NUCC – LD, delegado Flávio Porto, a análise do material identificou também a existência de uma espécie de “terceiro setor”, integrado por pessoas físicas e jurídicas, sediadas em Foz do Iguaçu, Mato Grosso do Sul e Belo Horizonte, que tinham como função dar uma aparência de legalidade ao dinheiro obtido com o tráfico de drogas.

O capital era depositado em suas contas por pessoas que se associaram ao grupo criminoso, geralmente moradores da localidade que levavam o dinheiro às agências bancárias quantias expressivas.

As pessoas envolvidas no esquema responderão por tráfico de drogas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG