Polícia investiga extorsão de traficantes em construção de ponte no Rio

Criminosos estariam ameaçando parar a obra se os pedidos não forem atendidos

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |

Genilson Araujo / Parceiro / Agência O Globo
Vista aérea da construção da ponte estaiada, que vai ligar a Ilha do Fundão à Linha Vermelha
Policiais civis da 21ª DP (Bonsucesso) investigam um possível caso de extorsão de traficantes do Complexo da Maré à construtora Queiroz Galvão. A empreiteira é responsável pela construção às margens da comunidade de uma ponte estaiada que vai ligar a Ilha do Fundão à Linha Vermelha. Para que a obra seja concluída, os criminosos estariam fazendo pedidos à construtora.

Leia também: PMs são condenados por extorsão contra vendedora no Rio

De acordo com o delegado Aguinaldo Ribeiro, dois funcionários da Queiroz Galvão que trabalham na construção da ponte estiveram na 21ª DP com uma carta da associação de moradores da Vila do João, favela que integra o Complexo da Maré. No documento sem assinatura constava o pedido de doação de motos elétricas infantis para a realização de uma festa pelo dia das crianças.

Em algumas favelas do Rio dominadas pelo tráfico, criminosos exercem influência sobre as atividades das associações de moradores, usadas como fachada para defender os interesses da quadrilha local.

“Já ouvimos os dois funcionários e vamos convocar outros envolvidos na obra e representantes da associação de moradores. Queremos entender como foi feito o pedido e se aconteceram outros”, disse Aguinaldo Ribeiro ao iG .

Reportagem veiculada nesta sexta-feira (21) pelo jornal “Extra” relata que traficantes armados teriam ido ao canteiro de obras pedir a quantia de R$ 2 milhões. Como o valor não foi pago, os criminosos teriam obrigado o mestre de obras a suspender os trabalhos até que o pagamento fosse realizado.

O delegado Aguinaldo Ribeiro declarou não possuir informações sobre essa quantia pedida. Segundo ele, o registro feito por funcionários da Queiroz Galvão referia-se apenas ao pedido de motos elétricas. Procurada pela reportagem, a construtora não se manifestou sobre o assunto.

    Leia tudo sobre: extorsãocomplexo da maréposte estaiada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG