Polícia Federal explica o indiciamento de Allan Turnowski

Delegado que comandou a Operação Guilhotina afirma ao iG que em conversa telefônica Turnowski atrapalhou o trabalho da PF

Bruna Fantti, iG Rio de Janeiro |

O delegado federal Allan Dias, responsável pela Operação Guilhotina que resultou na expedição de 45 mandados de prisão contra policiais, afirmou ao iG que o indiciamento de Allan Turnowski ocorreu porque o ex-chefe de Polícia Civil avisou a um inspetor que a Polícia Federal estava gravando uma tentativa de extorsão de policiais da sua delegacia a um traficante.

Turnowski foi indiciado por violação de sigilo funcional. Se condenado, poderá cumprir pena de seis meses a dois anos de detenção. Caso seja comprovada que a ação resultou em dano à administração pública, a pena pode aumentar para seis anos.

No diálogo, obtido através de uma escuta telefônica realizada em 2010, Turnowski conversa com o então chefe de investigações da 22ªDP (Penha), Christiano Gaspar. A escuta ocorreu durante as investigações que culminaram na operação Guilhotina na qual Gaspar era um dos principais investigados.

"Não foi porque ele avisou que a operação Guilhotina ou Navalha ou o que fosse iria ocorrer. Ele avisou a um policial da unidade que sua equipe estava sendo monitorada e que era para levar o preso para a delegacia. Ele atrapalhou o nosso trabalho ao informar que os agentes estavam na escuta telefônica", disse Dias.

O delegado também opinou sobre qual deveria ser a conduta de Turnowski. "Ao meu entender, como Chefe de Polícia, ao saber da extorsão, ele deveria chamar uma equipe da corregedoria para prender os policiais em flagrante e não orientar um companheiro a levar o preso para a delegacia".

Ao saber da tentativa de extorsão, a Polícia Federal avisou ao secretário de Segurança José Mariano Beltrame sobre o que ocorria. Beltrame, então, telefonou para Turnowski e pediu providências.

A réplica do delegado federal é em relação ao posicionamento de Allan Turnowski, no último dia 17, à imprensa na saída da sede da Polícia Federal após prestar depoimento por quatro horas e ser indiciado.

O ex-chefe de Polícia Civil afirmou que havia sido indiciado injustamente pois o delegado Dias entendeu que ele havia vazado a operação Guilhotina para o agente. Além disso, frisou que o indiciamento ocorreu sem que o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, fosse ouvido.

Na ocasião, a declaração fez com que a secretaria de Segurança Pública se posicionasse e emitisse uma nota afirmando que não havia passado informações da operação para Turnowski.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG