Polícia faz operações em 16 favelas do Rio para reprimir ataques

'Operação Fecha Quartel' desloca 1.200 PMs de áreas burocráticas para as ruas, reforça blitze e suspende folgas da corporação

iG Rio de Janeiro |

A Polícia Militar do Rio de Janeiro e a Polícia Civil estão fazendo operações em 16 favelas do Rio, desde a desta manhã, com o objetivo de reprimir roubos e incêndios de automóveis por criminosos. De acordo com a assessoria de imprensa da PM, os locais escolhidos para a "Operação Fecha Quartel" são estratégicos e dominados por facções criminosas.

Desde domingo (21), ao menos 20 carros já foram atacados por criminosos, entre roubos, veículos incendiados e alvo de tiros.

A PM não informou quantos homens participam das ações, que começaram às 8h desta terça-feira. Cerca de 1.200 soldados de áreas não-operacionais foram deslocados para as ruas e 300 motos começaram a ser usadas hoje, a fim de aumentar a visibilidade policial e a sensação de segurança.

Cerca de 70 agentes da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais), da Polícia Civil, dão apoio em Manguinhos, em ação conjunta das forças de segurança.

Equipes da PM ocupam as favelas Mandela 1, 2 e 3 e Varginha (Manguinhos), Nova Holanda e Parque União (Complexo da Maré), Arará (Benfica), Jacarezinho, Cotia, Encontro, Tuiuti, Barreira do Vasco; Vila Joaniza e Barbante (Ilha do Governador); Falé e Fogueteiro (Santa Teresa).

O porta-voz da corporação, coronel Lima Castro, afirmou que as folgas de policiais serão reduzidas e haverá aumento de blitze a fim de tentar apreender material incendiário e explosivo.

O Centro de Inteligência montado no 22ºBPM (Maré) monitora as ações, sob Coordenação da Secretaria de Segurança.

    Leia tudo sobre: ataquesoperaçõesPMfavelas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG