Polícia encerra reconstituição do caso Juan no Rio

Trabalhos tiveram início na manhã de ontem; peritos e policiais deixaram o local sem falar com a imprensa

AE |

selo

Raphael Gomide
Cartaz na porta indica que a escola está de luto pela morte do menino
A Polícia Civil do Rio de Janeiro encerrou, na madrugada deste sábado, a reconstituição do tiroteio que terminou com a morte do menino Juan Moraes, de 11 anos, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Os trabalhos de reconstituição no local do crime tiveram início na manhã de ontem e foram divididos em duas etapas.

No final dos trabalhos, a equipe de peritos e os advogados dos policiais deixaram o local sem falar com a imprensa. O advogado Édson Ferreira, no entanto, afirmou que seus clientes são absolutamente inocentes e que só souberam da morte de Juan pela imprensa.

Apesar da incursão policial na Favela Danon ter ocorrido à noite, o diretor da Polícia Técnica, Sérgio Henriques, explicou que, em termos de apresentação de um laudo, fotos em período diurno são importantes.

Os quatro policiais envolvidos na operação e que foram afastados pelo Comando Geral da PM, além de outros três que estavam próximos ao local, compareceram na fase noturna da reconstituição.

A segunda etapa dos trabalhos, que durou quatro horas e só terminou nesta madrugada, contou com a participação de Wanderson dos Santos de Assis, de 19 anos. Amigo do garoto morto, Wanderson também estava no local do tiroteio e foi baleado, assim com o irmão de Juan, Wesley, de 14 anos, que não apareceu.

Tanto ele quanto Wanderson, que estava de muletas e encapuzado, estão no Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte.

O corpo de Juan foi encontrado dez dias depois, no Rio Botas, em Belford Roxo, a 18 quilômetros do local onde foi avistado pela última vez. Mas a confirmação de que se tratava mesmo do menino só veio na quarta-feira, 6, após a divulgação do resultado de exames de DNA. Isto porque, inicialmente, uma perita disse que se tratava do corpo de uma menina.

    Leia tudo sobre: menino juanviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG