Polícia descarta participação de outra pessoa na morte de Lavínia

Segundo delegado, assassina confessa conhecia muito bem a casa da vítima e agiu sozinha

iG Rio de Janeiro |

Responsável pelas investigações sobre a morte da menina Lavínia Azeredo, de 6 anos, que foi estrangulada na semana passada na Baixada Fluminese, o delegado Luciano Zahar afirmou ter descartado a princípio a participação de uma outra pessoa no crime.

Segundo ele, com base em depoimentos de testemunhas, a assassina confessa, Luciene Reis Santana, de 30 anos, ex-amante do pai da criança, teria agido sozinha porque conhecia bem a casa onde Lavínia morava. 

"A Luciene estava acusando a mãe da Lavínia de ter ajudado no crime mas já descartamos essa hipótese", disse

Zahar afirmou ainda que uma testemunha disse ter visto Luciene na rua momentos antes de ter sequestrado a menina. Lavínia foi raptada na madrugada do último dia 28 quando dormia e achada morta dois dias depois em um hotel. A menina foi estrangulada com o cardaço de um tênis.

Segundo as investigações, Luciene cometeu o crime por vigança pelo término do relacionamento com o pai da vítima, além da aquisição da quantia de R$ 2 mil que pretendia pedir como resgate. Ela está presa.

    Leia tudo sobre: caso lavíniaamantepaibaixada

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG